sicnot

Perfil

Mundo

OMS entregou ajuda médica no Iémen

A Organização Mundial de Saúde (OMS) indicou esta quarta-feira que entregou ajuda médica na cidade iemenita de Taiz, cujos moradores estão cercados há vários meses pelos rebeldes Huthis.

© Khaled Abdullah / Reuters

A OMS foi "capaz de entregar mais de 20 toneladas de medicamentos e equipamentos médicos que podem salvar vidas", referiu a organização, através de comunicado.

"Aqueles suprimentos médicos são cruciais para atender às necessidades urgentes de uma cidade onde mais de 200.000 pessoas continuam a viver em estado de sítio com acesso limitado à ajuda humanitária", disse a OMS.

Os rebeldes tentaram sem sucesso durante meses desalojar as forças pró-governamentais do centro da cidade de Taiz, no sul do país, terceira maior da cidade.

A ajuda à população de Taiz foi bloqueada durante oito semanas, disse a OMS, acrescentando que foi "finalmente entregue" a 31 de janeiro.

O conflito no Iémen já fez 6.100 mortos, a maior parte dos quais civis, e mais de 30.000 feridos, segundo a ONU.

O Iémen vive uma crise política desde 22 de janeiro na sequência da renúncia do Presidente Abd Rabbo Mansur Hadi e do seu Governo, dois dias depois da milícia xiita Huthi assumir o controlo do palácio presidencial.

Os Huthis já assumiram o controlo de sete províncias do país, mas a ONU considera Abd Rabbo Mansur Hadi como o "Presidente legítimo" do Iémen.

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.