sicnot

Perfil

Mundo

Assad admite risco de invasão da Arábia Saudita ou da Turquia

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, admitiu hoje o risco de invasão da Síria pela Arábia Saudita ou pela Turquia e sublinhou que o objetivo da batalha de Alepo (norte) é cortar o acesso à fronteira com a Turquia.

Bashar al-Assad é o presidente da Síria desde julho de 2000.

Bashar al-Assad é o presidente da Síria desde julho de 2000.

© Sana Sana / Reuters

Numa entrevista à agência France Presse em Damasco, Assad afirmou "não afastar" a possibilidade de uma invasão, mas assegurou que as suas forças armadas "vão confrontá-la".

Uma invasão "é uma possibilidade que não posso excluir pela simples razão de que Erdogan é alguém intolerante, radical, pró-Irmandade Muçulmana e que vive o sonho otomano. O mesmo se passa com a Arábia Saudita", disse.

"De qualquer maneira, uma tal ação não será fácil para eles e nós vamos com toda a certeza combatê-la", acrescentou.

Sobre a batalha em curso em Alepo, o Presidente sírio afirmou que "a batalha principal é cortar a estrada entre Alepo e a Turquia, porque a Turquia é a principal via de abastecimento dos terroristas".

Assad, que falou à agência na quinta-feira na primeira entrevista a 'media' ocidentais desde há dois meses, disse-se por outro lado determinado a recuperar o controlo sobre toda a Síria, mas admite que isso vai levar tempo.

"Não tem lógica dizer que há uma parte do nosso território a que renunciaremos", disse.

Questionado sobre se vai conseguir reconquistar todo o território, Assad respondeu: "Sejamos ou não capazes de o fazer, é um objetivo que perseguiremos sem hesitação".

Mas, acrescentou, o envolvimento no conflito de atores regionais "significa que a solução vai demorar muito tempo e ter um preço elevado".

Cerca de uma semana depois do fracasso das negociações de paz em Genebra, Bashar disse-se empenhado em negociar com a oposição desde que possa continuar a combater a rebelião armada.

"Desde o início da crise, acreditamos completamente nas negociações e na ação política. Mas negociar não significa deixar de combater o terrorismo. As duas vertentes são indispensáveis na Síria (...) A primeira vertente é independente da segunda", disse.

Bashar al-Assad recusou por outro lado a recente acusação da ONU de que o regime que dirige é responsável por crimes de guerra, acusando a organização internacional de "não dar qualquer prova" do que alega e de seguir "uma agenda política".

"As instituições da ONU (...) são essencialmente dominadas pelas potências ocidentais e maioria dos seus relatórios são politizados não apresentam provas", disse.

"Por isso não receio nem essas ameaças nem essas alegações", disse, quando questionado sobre se receia ser julgado por um tribunal internacional.

O Presidente sírio acusou ainda a Europa de ser uma "causa direta" da fuga dos civis sírios ao "dar cobertura aos terroristas" e "impor um embargo à Síria", apelando aos países europeus que "ajudem os sírios a regressarem ao seu país".

E advertiu especificamente França de que deve mudar as suas "políticas destrutivas" de apoio aos "terroristas", termo que utiliza habitualmente para designar a oposição ao regime.

Questionado sobre a cessação de funções do ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, Assad considerou que "a mudança de personalidades não tem verdadeiramente grande importância" e que é "a mudança de políticas" que conta.

  • Partidos vão apresentar propostas alternativas à descida da TSU
    2:52

    TSU

    O Presidente da República defende a redução da Taxa Social Única mas deixa a porta aberta a outra via para compensar o aumento do salário mínimo. PCP e Bloco de Esquerda insistem que não pode haver contrapartidas que estimulem os salários baixos mas admitem outras formas de aliviar as empresas. À direita, também o CDS irá apresentar propostas.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.