sicnot

Perfil

Mundo

Cessar-fogo na Síria começará dentro de uma semana

Os principais atores do conflito sírio chegaram a acordo, na noite de quinta para sexta-feira, para uma "cessação as hostilidades" na Síria, dentro de uma semana, e um acesso intensificado dos civis à ajuda humanitária.

Cidade de Aleppo, Síria

Cidade de Aleppo, Síria

© Abdalrhman Ismail / Reuters

"Acordámos uma cessação das hostilidades em todo o país no prazo de uma semana", disse o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, durante uma conferência de imprensa, depois de uma reunião que durou mais de cinco horas, em Munique.

O acesso à ajuda humanitária vai ser alargado a uma série de cidades.

Os EUA e a Federação Russa vão controlar as "modalidades" de concretização desta cessação das hostilidades, acrescentou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov.

Esta paragem das hostilidades envolve todos os grupos beligerantes, exceto "os grupos terroristas Daesh (acrónimo árabe para designar o grupo que se intitula como Estado Islâmico) e Al-Nosra (Al-Qaida)", especificou Kerry.

"Também decidimos acelerar e alargar o fornecimento de ajuda humanitária desde agora" a uma série de cidades cercadas, acrescentou o norte-americano, mencionando, entre outras, Deir Ezzor, no leste sírio, onde as forças lealistas estão cercadas pelo Daesh.

Um grupo de trabalho dirigido pela Organização da Nações Unidas vai reunir-se hoje em Genebra, para realizar a vertente humanitária, do que prestará contas semanalmente, precisou.

As negociações inter-sírias, suspensas no início de fevereiro, devido a uma ofensiva do regime, apoiado pela aviação russa, contra os rebeldes, devem entretanto "recomeçar assim que possível", acrescentou Kerry.

Estas negociações devem realizar-se "sem ultimatos nem pré-condições", sublinhou Lavrov.

Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.