sicnot

Perfil

Mundo

Assinado acordo que restabelece voos diretos comerciais entre os EUA e Cuba

As ligações aéreas comerciais entre os Estados Unidos e Cuba, interrompidas há mais de 50 anos, vão ser brevemente retomadas e poderão representar até 110 voos regulares diários entre os dois países, foi hoje divulgado.

Este é o resultado de um memorando de entendimento hoje assinado em Havana pelos governos dos dois países.

"Hoje é um dia histórico na relação entre Cuba e os Estados Unidos. Estamos a assinar este memorando de entendimento para que, pela primeira vez em mais de cinco décadas, os Estados Unidos e Cuba tenham um serviço de transporte aéreo regular", afirmou o secretário dos Transportes norte-americano, Anthony R. Foxx, na capital cubana.

Apesar da lei norte-americana continuar a proibir as viagens a Cuba para atividades turísticas, este relançamento das ligações aéreas comerciais é encarada como mais uma prova do processo de aproximação entre Washington e Havana.

"A assinatura deste acordo vai marcar o início de uma nova etapa ao nível do transporte aéreo entre Cuba e os Estados Unidos, o que vai contribuir para o aprofundamento dos laços entre os dois países", afirmou o ministro cubano para a área dos Transportes, Adel Izquierdo Rodriguez.

Além de definir um serviço aéreo regular, o ministro cubano realçou que o memorando irá permitir que as companhias aéreas dos dois países realizem acordos comerciais de colaboração.

"Os dois governos reafirmaram ainda o compromisso de reforçar a sua já estreita cooperação em matéria de vigilância aérea e de segurança", acrescentou o secretário de Estado-adjunto norte-americano para a área dos Transporte, Thomas Engle, também presente na capital cubana.

As ligações aéreas entre Cuba e os Estados Unido foram suspensas há 53 anos, mas cerca de vinte voos 'charters', autorizados em meados da década de 1970, operam diariamente sob determinadas condições.

Segundo os responsáveis, as autoridades norte-americanas vão agora pedir às companhias aéreas norte-americanas que apresentem ao Departamento dos Transportes as rotas que gostariam de operar. As ligações regulares devem arrancar já no próximo verão.

"Numa primeira fase, as companhias aéreas norte-americanas estarão autorizadas a operar 20 voos regulares diários para a Havana, o principal mercado. Recordo que, atualmente, não há nenhum voo", referiu Thomas Engle.

"Além disso, dez voos diários vão ligar outras cidades cubanas a aeroportos abertos a voos internacionais", reforçou o secretário de Estado-adjunto.

Após mais de 50 anos sem relações diplomáticas, os Estados Unidos e Cuba anunciaram a 17 de dezembro de 2014 uma aproximação histórica entre os dois países, separados unicamente pelos 150 quilómetros do Estreito da Florida.

Depois de vários meses de rondas negociais, os líderes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raul Castro, respetivamente, anunciaram a 01 de julho de 2015 o restabelecimento das relações diplomáticas e a abertura de embaixadas nas capitais de cada país.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57

    Mundo

    Um casal foi detido na Califórnia acusado de tortura e escravidão dos 13 filhos: o mais velho tinha 29 anos e a mais nova dois. A polícia encontrou um cenário de horror quando entrou na casa da família, depois de uma das filhas ter fugido pela janela. Crianças e jovens estavam amarrados às camas e todos estavam mal alimentados. Mas nas redes sociais, o casal Turpin divulgava imagens de uma família feliz.

  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38