sicnot

Perfil

Mundo

Ban Ki-moon elogia trabalho de Boutros-Ghali à frente da ONU

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, qualificou hoje o diplomata egípcio Boutros Boutros-Ghali como um "respeitado estadista" que conseguiu liderar as Nações Unidas "num dos períodos mais turbulentos e desafiantes" daquela organização.

Boutros-Ghali, em 1996, quando ainda era secretário-geral da ONU.

Boutros-Ghali, em 1996, quando ainda era secretário-geral da ONU.

© Reuters Photographer / Reuter

Ban Ki-moon leu uma declaração diante dos jornalistas pouco tempo depois de o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter anunciado a morte do ex-secretário-geral Boutros Boutros-Ghali, que exerceu o cargo de 1992 a 1996.

O secretário-geral recordou que Boutros Ghali liderou a organização durante um "dramático aumento das operações de paz da ONU".

Foi uma época, segundo destacou Ban Ki-moon, em que "o mundo pedia cada vez mais às Nações Unidas para resolver problemas, numa fase imediatamente após a Guerra Fria".

Na mesma mensagem, o secretário-geral da ONU reconheceu igualmente o valor de Boutros Ghali como um "conhecido académico no Direito Internacional", o que lhe proporcionou uma "experiência formidável" para a direção das Nações Unidas.

"Demonstrou coragem ao levantar questões difíceis para os Estados-membros, e insistiu com razão sobre a independência do seu cargo e da secretária-geral [da ONU]", disse ainda.

"O seu compromisso com as Nações Unidas (...) era inconfundível, e a marca que deixou na organização é indelével", concluiu Ban Ki-moon.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas não forneceu detalhes sobre a morte do ex-secretário-geral. O diplomata egípcio, de 93 anos, tinha sido hospitalizado nos últimos dias num hospital no Cairo.

Também a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) expressou a sua tristeza pela morte de Boutros Ghali, elogiando a postura de vida do diplomata egípcio ao "promover um ideal de um mundo mais justo, pacífico e equitativo".

"Foi um incansável advogado do diálogo e da cooperação e um defensor dos Direitos Humanos e da diversidade cultural", afirmou a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova.

A representante afirmou ainda que Boutros-Ghali foi um "amigo próximo da UNESCO", que contribuiu ativamente na missão desta agência da ONU.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.