sicnot

Perfil

Mundo

Homens pequenos da ilha Flores não são Homo Sapiens

Os pequenos humanos que viveram na ilha indonésia há cerca de 15 mil anos não eram Homo Sapiens, mas sim uma espécie diferente. Um novo estudo vem agora trazer mais "achas para a fogueira" deste debate antropológico.

Ilustração do Homo floresiensis ou Hobbit por Bobin's Peter Schouten AM

Ilustração do Homo floresiensis ou Hobbit por Bobin's Peter Schouten AM

Crânio de Homo Florensis.

Crânio de Homo Florensis.

Em 2003 foram descobertos fósseis de esqueletos do que foi batizado Homo floresiensis - ou "hobbits", dada a sua pequena estatura, um metro de altura e cerca de 25kg.

A controvérsia estalou para saber se pertenciam a um ramo desconhecido de homens primitivos ou espécimes do homem moderno deformados por doença.

Um novo estudo, baseado na análise dos ossos do crânio, vem agora demonstrar que este povo não era Homo sapiens.

Paleontólogos do Museu de História Natural de França e da Universidade Paris-Descartes estudaram o crânio mais intacto dos 9 que foram descoberto na ilha Flores - denominado Liang Bua 1 ou LB1. Garantem que a conclusão "é inequívoca": "Não encontrámos características da nossa espécie" - ou seja, Homo Sapiens, afirma Antoine Balzeau, cientista do Museu de História Natural, no estudo publicado no Journal of Human Evolution.

Embora tenham encontrado vestígios de pequenas enfermidades, não havia nada correspondente às principais doenças genéticas outros investigadores tinham apontado como responsáveis para as diferenças entre Homo Sapiens e Homo Floresiensis.

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida