sicnot

Perfil

Mundo

Homens pequenos da ilha Flores não são Homo Sapiens

Os pequenos humanos que viveram na ilha indonésia há cerca de 15 mil anos não eram Homo Sapiens, mas sim uma espécie diferente. Um novo estudo vem agora trazer mais "achas para a fogueira" deste debate antropológico.

Ilustração do Homo floresiensis ou Hobbit por Bobin's Peter Schouten AM

Ilustração do Homo floresiensis ou Hobbit por Bobin's Peter Schouten AM

Crânio de Homo Florensis.

Crânio de Homo Florensis.

Em 2003 foram descobertos fósseis de esqueletos do que foi batizado Homo floresiensis - ou "hobbits", dada a sua pequena estatura, um metro de altura e cerca de 25kg.

A controvérsia estalou para saber se pertenciam a um ramo desconhecido de homens primitivos ou espécimes do homem moderno deformados por doença.

Um novo estudo, baseado na análise dos ossos do crânio, vem agora demonstrar que este povo não era Homo sapiens.

Paleontólogos do Museu de História Natural de França e da Universidade Paris-Descartes estudaram o crânio mais intacto dos 9 que foram descoberto na ilha Flores - denominado Liang Bua 1 ou LB1. Garantem que a conclusão "é inequívoca": "Não encontrámos características da nossa espécie" - ou seja, Homo Sapiens, afirma Antoine Balzeau, cientista do Museu de História Natural, no estudo publicado no Journal of Human Evolution.

Embora tenham encontrado vestígios de pequenas enfermidades, não havia nada correspondente às principais doenças genéticas outros investigadores tinham apontado como responsáveis para as diferenças entre Homo Sapiens e Homo Floresiensis.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.