sicnot

Perfil

Mundo

Síria acusa Médicos Sem Fronteiras de ser "ramo dos serviços secretos franceses"

A Síria acusou hoje a associação Médicos Sem Fronteiras de ser "um ramo dos serviços secretos franceses" e negou ser responsável pelo bombardeamento de um dos seus hospitais no norte do país.

© Bassam Khabieh / Reuters

"Temos informação credível de que a coligação norte-americana atacou o hospital", disse hoje aos jornalistas o embaixador da Síria na Organização das Nações Unidas (ONU), Bashar Yarafi, que acusou as potências ocidentais de terem iniciado uma campanha para tentar responsabilizar a Síria e a sua associada Rússia do sucedido.

Bashar Yarafi aproveitou para atacar a Médicos Sem Fronteiras (MSF), organização que descreveu como sendo "um ramo dos serviços secretos franceses que operam na Síria".

De acordo com o embaixador, "o referido hospital foi instalado sem consultar previamente o Governo sírio", pelo que a própria organização deve "assumir as consequências" do ocorrido.

A MSF disse hoje que no ataque aéreo ao hospital da localidade de Maarat al Nuaman morreram pelo menos onze pessoas: cinco trabalhadores, cinco pacientes (entre estes um menor) e um acompanhante.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos apontou na segunda-feira a aviação russa como responsável pelo ataque, o que o Kremlin negou.

A ONU revelou na segunda-feira uma série de ataques com mísseis contra meia dúzia de edifícios médicos e educativos, um destes o hospital da MSF, nas províncias de Alepo e Idlib, no norte do país, nos quais morreram cerca de 50 pessoas.

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33