sicnot

Perfil

Mundo

Condenado que tentou fugir do corredor da morte executado no Texas

O estado norte-americano do Texas executou na terça-feira um homem condenado por homicídio e que em 1998 tentou fugir do corredor da morte.

O grupo ativista "Innocence Project", que coordenou a defesa, assinalou  que Thibodeaux é o 18.º réu que se encontra no corredor da morte nos Estados  Unidos e que é libertado na sequência de testes de ADN (Reuters/Arquivo)

O grupo ativista "Innocence Project", que coordenou a defesa, assinalou  que Thibodeaux é o 18.º réu que se encontra no corredor da morte nos Estados  Unidos e que é libertado na sequência de testes de ADN (Reuters/Arquivo)

© Lucy Nicholson / Reuters

Gustavo García, de 43 anos, foi declarado morto às 18:26 (00:26 de quarta-feira em Lisboa) após receber uma injeção letal na prisão de Huntsville, indicou o Departamento de Justiça Criminal do Texas.

Na noite de Ação de Graças de 1998, após quase oito anos preso, García e outros seis condenados protagonizaram uma histórica tentativa de evasão que se saldou com a morte de Martin Gurule, o único dos sete que conseguiu saltar os muros da cadeia, mas que morreu pouco depois, supostamente afogado num córrego próximo do estabelecimento prisional.

Gurule ficou para a história como o primeiro preso a escapar do corredor da morte do Texas desde que em 1934 o mesmo feito tinha sido alcançado por um membro do grupo Bonnie e Clyde.

Pouco depois, e devido à tentativa de fuga, o Texas transferiu o seu corredor da morte -- que na altura contava com quase meio milhar de presos -- para a atual prisão de alta segurança de Polunsky, em Livingston.

Em dezembro de 1990, com 18 anos acabados de cumprir, García e o seu amigo Chistopher Vargas -- que tinha 15 -- decidiram assaltar um estabelecimento de bebidas perto de Dallas em busca de dinheiro e álcool.

Depois de obterem o que pretendiam, García matou, com um tiro na cabeça, o funcionário da loja. Quando a polícia chegou ao local, os dois homens tinham-se colocado em fuga.

Em janeiro de 1991, decidiram repetir o golpe, desta feita, definindo como alvo uma gasolineira, também na mesma zona.

Roubaram cerveja, esvaziaram a caixa registadora e mataram, também com a tiro na cabeça, um funcionário, Gregory Martin.

Contudo, Martin estava a falar ao telefone com a sua noiva quando os assaltantes chegaram ao local e ela avisou a polícia, que encontrou García escondido numa arca frigorífica e acabou por deter todos os envolvidos no assalto.

Os investigadores ligaram os dois casos uma vez que a arma usada foi a mesma.

García tornou-se n o terceiro preso executado este ano no Texas e o sexto nos Estados Unidos.

Desde que a pena capital foi restaurada, há 40 anos, os Estados Unidos executaram 1.428 presos, 534 dos quais no Texas.

Lusa

  • Adeptos do Sporting gritaram "Joguem à bola"

    Desporto

    Depois da eliminação da Taça de Portugal, o autocarro do Sporting deixou o Estádio Municipal de Chaves em clima de grante tensão. Vários adeptos leoninos protestaram contra a equipa e pediram explicações.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Temperaturas negativas em várias zonas do país nos próximos dias
    1:57

    País

    O frio vai começar a fazer-se sentir nos próximos dias com as temperaturas a descerem para valores negativos em várias zonas do país. Em Lisboa, cinco estações de metro vão estar abertas durante a noite para albergar os sem-abrigo que também vão receber agasalhos e refeições quentes.

  • Medalha idêntica à de Anne Frank encontrada em campo nazi

    Mundo

    Um grupo de investigadores encontrou uma medalha praticamente igual à de Anne Frank, nas escavações ao campo nazi de extermínio Sobibor, na Polónia. Os especialistas do Memorial do Holocausto Yad Vashem em Israel acreditam que a medalha pertencia a Karoline Cohn, que pode ter conhecido Anne Frank.