sicnot

Perfil

Mundo

Motociclistas sequestram em Caracas camiões de bebidas para exigir alimentos

Cinco camiões que transportavam cerveja e Pepsi-Cola foram hoje sequestrados por motociclistas na Avenida Sucre, em Caracas, que pintaram nos veículos mensagens como "não queremos refrigerantes, queremos comida".

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O sequestro foi denunciado por utilisadores do Twitter e confirmado pelo grupo de Empresas Polar (EP, o maior grupo privado produtor e distribuidor de alimentos e bebidas do país), que condenou o sequestro.

"O EP denuncia o sequestro de cinco camiões que se encontravam a distribuir produtos de Cervejaria Polar e Pepsi-Cola Venezuela para atender clientes da zona oeste de Caracas", explica o grupo empresarial em comunicado.

Segundo o EP, "os transportadores foram intercetados violentamente por um grupo de motociclistas que impediram a distribuição dos produtos pedidos pelos consumidores da zona".

"Gritando palavras de ordem políticas, os motociclistas tomaram posse das chaves dos camiões, riscaram os veículos e despojaram os transportadores dos seus telemóveis. No local também se encontravam camiões de outras empresas", explica.

No comunicado, o grupo condena "estes atos violentos que geram mais soçobra na população venezuelana" e advertem que "esta a ação pode fazer parte de uma campanha sistemática de ataques contra Empresas Polar, através de distintos meios oficiais (estatais)".

Entretanto, os utilizadores do Twitter divulgaram imagens dos camiões, onde se viam mensagens pintadas como "- (menos) cerveja + (mais) alimentos, solta a comida, Lorenzo Mendoza (presidente de EP)", "Não queremos cerveja, queremos alimentos" e "não queremos refrigerantes queremos comida".

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas dos cidadãos sobre dificuldades para conseguir alguns produtos básicos, como o arroz, massa, farinha de trigo e de milho, café, açúcar, margarina, maionese ou leite em pó. Também tem havido falta de papel higiénico e de vários outros produtos de higiene pessoal.

Nas últimas semanas intensificaram-se as já tradicionais filas de clientes junto dos supermercados à procura de produtos que escasseiam no mercado local.

Estas filas, que os jornalistas estão proibidos de fotografar, estão a ser controladas pela Guarda Nacional (polícia militar) que algumas vezes tem que disparar balas de borracha para o ar a fim de dispersar a população e impedir situações de violência.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.