sicnot

Perfil

Mundo

Os atentados mais mortíferos dos últimos 25 anos na Turquia

Nos últimos 25 anos, a Turquia foi atingida por uma série de atentados, tendo o mais mortífero acontecido em Ancara a 10 de outubro de 2015.

Hoje, pelo menos 28 pessoas morreram e 61 ficaram feridas no centro da capital turca na sequência de um atentado com um carro armadilhado contra uma coluna militar.

14 de janeiro de 2016 - seis pessoas (um polícia e cinco civis) morreram e 39 ficaram feridas, num atentado com uma viatura armadilhada contra uma esquadra, em Cinar. O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) reivindicou o ataque e pediu desculpa pela morte dos civis.

12 de janeiro de 2016 - um atentado suicida em Sultanahmet, no centro histórico de Istambul, provocou 11 mortos, entre estes turistas alemães, e 16 feridos. O ataque, atribuído ao grupo terrorista Estado Islâmico, ocorreu no antigo hipódromo junto à basílica de Santa Sofia e à Mesquita Azul, os dois monumentos mais visitados da cidade.

10 de outubro de 2015 - Uma dupla explosão em frente à principal estação de comboios de Ancara faz pelo menos 86 mortos e perto de 200 feridos. Para o local estava agendada uma marcha a favor da paz, na qual eram esperadas milhares de pessoas. Esta ação acontece três semanas antes das eleições legislativas turcas. O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan (islâmico-conservador), condena este «ataque hediondo».

20 de julho de 2015 - Um atentado em Suruç, perto da fronteira com a Síria, faz 33 mortos e centenas de feridos, incluindo jovens militantes da causa curda. O ataque é atribuído pelas autoridades ao autoproclamado Estado Islâmico, mas acaba por desencadear uma retaliação por parte da guerrilha curda contra as forças de segurança turcas, acusadas de não conseguir proteger a população local.

11 de maio de 2013 - Um duplo atentado provocou 52 mortos em Reyhanli, uma aldeia no Sul da Turquia perto da fronteira com a Síria.

11 de fevereiro de 2013 - Um atentado no posto fronteiriço de Civelgözü provocou 17 mortos.

27 de julho de 2008 - Dois atentados bombistas fazem 17 vítimas mortais e 115 feridos em Istambul. As autoridades turcas responsabilizam o PKK.

12 de setembro de 2006 - O rebentamento prematuro de uma bomba perto de uma paragem de autocarro em Diyarbakir (sudeste), mata 10 pessoas, incluindo sete crianças. Os rebeldes curdos negam qualquer envolvimento.

15 e 20 de novembro de 2003 - Quatro atentados suicidas com carros armadilhados são perpetrados em Istambul. Duas sinagogas, o consulado britânico e o banco britânico HSBC são os alvos da ação terrorista que faz 63 mortos, incluindo o cônsul-geral britânico, e centenas de feridos. Os ataques são reivindicados por uma célula turca da Al-Qaida.

13 de março de 1999 - Um ataque contra um centro comercial em Istambul mata 12 pessoas. O PKK reivindica inicialmente a autoria do atentado, mas recua depois.

25 de dezembro de 1991 - Explosivos e cocktails molotov são lançados contra uma grande loja de comércio localizada no lado europeu de Istambul. O ataque faz 17 mortos e 23 feridos. A operação é atribuída ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), organização armada que luta desde 1984 pela criação de um Estado autónomo no sudeste da Turquia (zona maioritariamente curda).

  • GNR resgata 45 sírios no mar Egeu
    2:28

    Crise Migratória na Europa

    A Guarda Nacional Republicana já resgatou quase 300 migrantes no mar Egeu, ao largo da Grécia, desde o início de maio. Esta quarta-feira de madrugada, os militares salvaram 45 sírios que tentavam chegar à Grécia numa embarcação de borracha.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.