sicnot

Perfil

Mundo

Trump ganha força nas sondagens em vésperas de novas primárias

Na corrida à Casa Branca, Donald Trump ganha pontos. Em véspera das eleições primárias no estado da Carolina do Sul, o candidato republicano é apontado como o favorito em todas as sondagens.

Não é apenas na Carolina do Sul, onde os americanos são chamados a votar este sábado para escolher os candidatos do partido republicano, mas em toda a América a campanha do milionário parece ter dado o salto.

Não é apenas na Carolina do Sul, onde os americanos são chamados a votar este sábado para escolher os candidatos do partido republicano, mas em toda a América a campanha do milionário parece ter dado o salto.

Andrew Harnik / AP

Não é apenas na Carolina do Sul, onde os americanos são chamados a votar este sábado para escolher os candidatos do partido republicano, mas em toda a América a campanha do milionário parece ter dado o salto.

Caso se confirme a vitória, este fim-de-semana é provável que surja a desistência de Jeb Bush.

Do lado dos democratas, é no Nevada que vão a votos e as sondagens dão um empate entre Hillary Clinton e Bernie Sanders.

Os candidatos estão, no entanto, já mais concentrados na votação da chamada Super Terça-feira, em que 13 estados, em simultâneo, vão decidir os candidatos. Acontece já a 1 de março.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.