sicnot

Perfil

Mundo

Camboja investiga eventual surto de VIH

As autoridades de saúde do Camboja investigam um eventual surto de VIH (Vírus de Imunodeficiência Humana, o vírus da Sida), realizando centenas de testes numa aldeia depois de 14 pessoas terem dado positivo.

© Pring Samrang / Reuters


Ly Peng Sun, diretor do Centro Nacional de VIH, afirmou que decorrem movimentações para que todos os habitantes da aldeia de Peam, a norte da capital, Phnom Penh, sejam submetidos a exames depois de 14 pessoas terem testado positivo ao vírus no início do corrente mês.

"Mais de 140 pessoas vieram fazer o teste [hoje] e os resultados conhecidos até ao momento mostram que cerca de 50 deram negativo ao VIH", explicou o mesmo responsável.

As taxas de VIH são elevadas no Camboja, embora o país tenha melhorado no combate ao vírus nos últimos anos.

Contudo, os receios aumentaram depois de um recente surto numa outra aldeia ter deixado mais de 200 pessoas infetadas.

Esse surto foi rastreado e um médico, sem licença, que reutilizava seringas, foi preso.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38