sicnot

Perfil

Mundo

Febre-amarela em Angola já causou 99 mortes

O surto de febre-amarela em Angola causou já 99 mortos, de um total de 461 casos suspeitos notificados desde o início da epidemia, em dezembro de 2015, referem dados do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde.

Arquivo/Reuters

Arquivo/Reuters

© Handout . / Reuters

O mais recente boletim diário sobre a febre-amarela, a que a agência Lusa teve hoje acesso, refere que no sábado foram notificados 22 novos casos suspeitos, maioritariamente na capital angolana (14) e os restantes nas províncias do Huambo e Bié.

O documento sublinha que não foram reportados casos de óbitos no sábado.

Relativamente às ações de combate ao surto, o boletim informa que estão a ser realizadas buscas ativas de casos em hospitais e centros de saúde em Luanda e nas províncias com casos suspeitos.

Acrescenta também que continuam a decorrer as campanhas de vacinação, iniciada a 02 de fevereiro, tendo já sido imunizadas 1,8 milhões de pessoas, 1,7 milhões dos quais no município de Viana e cerca de 19.000 em Belas.

O município de Viana, o epicentro da epidemia, lidera, quer em número de casos suspeitos (173), quer em óbitos (53).

Fora da capital angolana, a província do Huambo regista o maior número de mortes (12), enquanto a Huíla lidera a lista de casos (45).

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".