sicnot

Perfil

Mundo

Febre-amarela em Angola já causou 99 mortes

O surto de febre-amarela em Angola causou já 99 mortos, de um total de 461 casos suspeitos notificados desde o início da epidemia, em dezembro de 2015, referem dados do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde.

Arquivo/Reuters

Arquivo/Reuters

© Handout . / Reuters

O mais recente boletim diário sobre a febre-amarela, a que a agência Lusa teve hoje acesso, refere que no sábado foram notificados 22 novos casos suspeitos, maioritariamente na capital angolana (14) e os restantes nas províncias do Huambo e Bié.

O documento sublinha que não foram reportados casos de óbitos no sábado.

Relativamente às ações de combate ao surto, o boletim informa que estão a ser realizadas buscas ativas de casos em hospitais e centros de saúde em Luanda e nas províncias com casos suspeitos.

Acrescenta também que continuam a decorrer as campanhas de vacinação, iniciada a 02 de fevereiro, tendo já sido imunizadas 1,8 milhões de pessoas, 1,7 milhões dos quais no município de Viana e cerca de 19.000 em Belas.

O município de Viana, o epicentro da epidemia, lidera, quer em número de casos suspeitos (173), quer em óbitos (53).

Fora da capital angolana, a província do Huambo regista o maior número de mortes (12), enquanto a Huíla lidera a lista de casos (45).

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.