sicnot

Perfil

Mundo

Obama vai indicar 13 potenciais locais nos EUA para transferir detidos de Guantanamo

O plano para o encerramento de Guantanamo que será hoje apresentado pelo Presidente norte-americano, Barack Obama, indica 13 potenciais locais nos Estados Unidos para onde os detidos daquela prisão militar poderão ser transferidos, indicou um responsável norte-americano.

Base Naval de Guantanamo.

Base Naval de Guantanamo.

reuters

Preparado durante meses, o plano prevê a transferência entre 30 a 60 presos para o território norte-americano, segundo a mesma fonte governamental, que falou sob anonimato.

O documento será entregue no Congresso norte-americano pouco antes de uma declaração de Obama na Casa Branca, prevista para as 10:30 locais (15:30 de Lisboa).

Localizada no sul da ilha de Cuba, a prisão militar norte-americana de Guantánamo foi criada após os atentados de 11 de setembro de 2001 para acolher suspeitos de terrorismo.

O encerramento de Guantánamo é uma das promessas da administração do Presidente Barack Obama, desde que chegou ao poder em 2009, mas o processo de esvaziamento da prisão militar têm sido marcado por várias perturbações.

A oposição do Congresso norte-americano e a relutância dos países em acolherem suspeitos de terrorismo têm sido apontados como os principais obstáculos ao cumprimento da promessa de Obama.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.