sicnot

Perfil

Mundo

Filme sobre escravas sexuais em 1º lugar nos cinemas da Coreia do Sul

Um filme sobre as escravas sexuais coreanas do exército japonês, um polémico episódio histórico gerador de conflitos frequentes entre Seul e Tóquio, atingiu o primeiro lugar nas bilheteiras sul-coreanas, informou hoje o Conselho de Cinema da Coreia (KOFIC).

"Spirits' homecoming" conta a história das jovens coreanas recrutadas à força para satisfazerem sexualmente os soldados do exército nipónico

"Spirits' homecoming" conta a história das jovens coreanas recrutadas à força para satisfazerem sexualmente os soldados do exército nipónico

O filme atraiu no fim de semana passado 153.783 espetadores, destronando o super-herói "Deadpool", que alcançou 138.057 espetadores uma semana depois da sua estreia no país, segundo dados do KOFIC.

O filme foi exibido em 507 salas da Coreia do Sul, um país de 50 milhões de habitantes, em que o cinema, e em especial o de produção nacional, continua a ter elevada popularidade.

A longa-metragem, dirigida por Cho Jung-lae, aborda a história das jovens e adolescentes coreanas recrutadas à força na primeira metade do século XX para satisfazerem sexualmente os soldados do exército nipónico, que então colonizava a Península da Coreia.

Estima-se que cerca de 200.000 mulheres - a maioria coreanas durante a II Guerra Mundial - foram "mulheres de conforto", termo usado para definir estas vítimas de escravatura sexual.

O tema das escravas sexuais causou nas últimas décadas frequentes conflitos entre a Coreia do Sul e o Japão, tornando-se no principal obstáculo nas respetivas relações bilaterais.

Os governos de ambos os países assinaram no final do ano passado um acordo para encerrar o assunto, que contempla as desculpas oficiais do Japão e uma compensação económica de 1.000 milhões de ienes (cerca de 8,1 milhões de euros) para restaurar "a honra e a dignidade" das vítimas.

Não obstante, organizações de apoio às vítimas e vários setores da sociedade opuseram-se ao acordo por o considerarem insuficiente.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.