sicnot

Perfil

Mundo

Apple diz que derrota perante governo dos EUA levaria a "estado policial"

Theodore Olson, um dos advogados que representa a Apple na batalha contra o governo dos Estados Unidos, alertou hoje que a derrota da empresa tecnológica no braço de ferro com aquele país conduziria a um "estado policial".

© Dado Ruvic / Reuters

"Pode imaginar-se diferentes agentes da ordem a dizerem à Apple que querem um novo produto para aceder a algo", disse hoje Olson em declarações à cadeia de televisão CNN.

"Inclusive um juiz estatal poderia pedir à Apple que desenhe algo. Não haveria fim. Conduziria a um estado policial", afirmou.

O FBI (Gabinete Federal de Investigação) quer que a Apple o ajude a desbloquear um iPhone utilizado por um dos autores do tiroteio de dezembro na cidade californiana de São Bernardino, no qual morreram 14 pessoas e 22 ficaram feridas, num caso que está a ser investigado como terrorismo.

Em concreto, o FBI espera que a Apple desenhe um 'software' que a ajude a eliminar o sistema de segurança instalado no telefone e que está programado para eliminar todo o conteúdo do dispositivo após 10 tentativas de entrada (contrassenhas).

Isto permitiria à agência federal usar o método conhecido como "força bruta", que utiliza um computador para experimentar um grande número de combinações de contrassenhas até acertar na correta.

A juíza federal Sheri Pym ordenou na terça-feira da semana passada que a Apple ajude os agentes do FBI.

A Apple pediu na resposta formal à juíza Pym que anule a ordem, cuja aceitação provocaria, segundo a empresa, "um dano significativo nas liberdades civis, na sociedade e na segurança nacional".

O advogado da Apple disse hoje que o que pretende o governo equivale a criar um tendão de Aquiles no iPhone.

"A segurança do iPhone é a razão pela qual muita, muita gente compra o telefone", afirmou Olsen, insistindo que a Apple é "muito sensível" aos esforços do governo para proteger os cidadãos e cumpriu todas as solicitações "legais" do governo para partilhar dados de clientes.

O assessor jurídico da Apple assegura que, neste caso em concreto, o governo extravasou a sua autoridade legal.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.