sicnot

Perfil

Mundo

Apple diz que derrota perante governo dos EUA levaria a "estado policial"

Theodore Olson, um dos advogados que representa a Apple na batalha contra o governo dos Estados Unidos, alertou hoje que a derrota da empresa tecnológica no braço de ferro com aquele país conduziria a um "estado policial".

© Dado Ruvic / Reuters

"Pode imaginar-se diferentes agentes da ordem a dizerem à Apple que querem um novo produto para aceder a algo", disse hoje Olson em declarações à cadeia de televisão CNN.

"Inclusive um juiz estatal poderia pedir à Apple que desenhe algo. Não haveria fim. Conduziria a um estado policial", afirmou.

O FBI (Gabinete Federal de Investigação) quer que a Apple o ajude a desbloquear um iPhone utilizado por um dos autores do tiroteio de dezembro na cidade californiana de São Bernardino, no qual morreram 14 pessoas e 22 ficaram feridas, num caso que está a ser investigado como terrorismo.

Em concreto, o FBI espera que a Apple desenhe um 'software' que a ajude a eliminar o sistema de segurança instalado no telefone e que está programado para eliminar todo o conteúdo do dispositivo após 10 tentativas de entrada (contrassenhas).

Isto permitiria à agência federal usar o método conhecido como "força bruta", que utiliza um computador para experimentar um grande número de combinações de contrassenhas até acertar na correta.

A juíza federal Sheri Pym ordenou na terça-feira da semana passada que a Apple ajude os agentes do FBI.

A Apple pediu na resposta formal à juíza Pym que anule a ordem, cuja aceitação provocaria, segundo a empresa, "um dano significativo nas liberdades civis, na sociedade e na segurança nacional".

O advogado da Apple disse hoje que o que pretende o governo equivale a criar um tendão de Aquiles no iPhone.

"A segurança do iPhone é a razão pela qual muita, muita gente compra o telefone", afirmou Olsen, insistindo que a Apple é "muito sensível" aos esforços do governo para proteger os cidadãos e cumpriu todas as solicitações "legais" do governo para partilhar dados de clientes.

O assessor jurídico da Apple assegura que, neste caso em concreto, o governo extravasou a sua autoridade legal.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20