sicnot

Perfil

Mundo

Alterações climáticas vão alterar dieta humana

As alterações climáticas vão afetar as culturas agrícolas de tal forma que se prevê que, em 2050, mais de 500 mil pessoas morrerão por não terem acesso a uma dieta equilibrada, revela um novo estudo.

© Siphiwe Sibeko / Reuters

Secas, cheias e outros eventos climáticos extremos vão causar estragos na agricultura e um acesso cada vez mais difícil à comida. Para piorar o cenário, os nutrientes presentes nessas culturas não serão suficientes para o ser humano, revela o estudo publicado na revista The Lancet.

"Não tem só a ver com obter poucas calorias", disse à revista Time Richard Choularton do Programa Alimentar Mundial da ONU, que não esteve envolvido no estudo. "As calorias não são suficentemente boas sem os micronutrientes. O desenvolvimento físico e cognitivo depende de se comer as coisas certas", sublinhou.

O declínio dos alimentos saudáveis é um dos principais responsáveis pela má nutrição. Os investigadores determinaram que o consumo de frutas e vegetais vai diminuir 4% em 2050 devido às alterações climáticas, que se vai sentir sobretudo nos países em vias de desenvolvimento mas também nos países mais ricos.

Os autores do estudo apelam aos políticos que cumpram o acordo de Paris e reduzam as emissões poluentes, de forma a impedir que o planeta aqueça mais que 2ºC em 2100.

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    País

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.