sicnot

Perfil

Mundo

Alterações climáticas vão alterar dieta humana

As alterações climáticas vão afetar as culturas agrícolas de tal forma que se prevê que, em 2050, mais de 500 mil pessoas morrerão por não terem acesso a uma dieta equilibrada, revela um novo estudo.

© Siphiwe Sibeko / Reuters

Secas, cheias e outros eventos climáticos extremos vão causar estragos na agricultura e um acesso cada vez mais difícil à comida. Para piorar o cenário, os nutrientes presentes nessas culturas não serão suficientes para o ser humano, revela o estudo publicado na revista The Lancet.

"Não tem só a ver com obter poucas calorias", disse à revista Time Richard Choularton do Programa Alimentar Mundial da ONU, que não esteve envolvido no estudo. "As calorias não são suficentemente boas sem os micronutrientes. O desenvolvimento físico e cognitivo depende de se comer as coisas certas", sublinhou.

O declínio dos alimentos saudáveis é um dos principais responsáveis pela má nutrição. Os investigadores determinaram que o consumo de frutas e vegetais vai diminuir 4% em 2050 devido às alterações climáticas, que se vai sentir sobretudo nos países em vias de desenvolvimento mas também nos países mais ricos.

Os autores do estudo apelam aos políticos que cumpram o acordo de Paris e reduzam as emissões poluentes, de forma a impedir que o planeta aqueça mais que 2ºC em 2100.

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC