sicnot

Perfil

Mundo

Sistema de alerta de tsunami indonésio estava avariado no sismo de quarta-feira

Os 22 emissores de alerta instalados no mar, no oeste da Indonésia, não funcionaram na quarta-feira quando um violento sismo ocorreu na região, indicaram hoje as autoridades indonésias, que referiram "atos de vandalismo".

Este sistema de deteção e aviso foi instalado após o maremoto de 2014 ao largo da ilha de Sumatra.

Na quarta-feira, o sismo de magnitude 7,8, cujo epicentro se situou no oceano Índico, abalou a ilha de Sumatra, provocando cenas de pânico entre os residentes e um alerta de 'tsunami', levantado algumas horas mais tarde.

As autoridades não registaram vítimas ou danos e as zonas afetadas regressaram hoje à calma. Uma série de réplicas foi hoje sentida na ilha, mas as autoridades pediram calma à população.

O procedimento que visa garantir se existe ou não 'tsunami' foi interrompido devido à ausência dos 22 sensores e emissores no mar, instalados pela Indonésia, explicou a agência para as catástrofes naturais indonésia.

Se o alerta inicial foi corretamente desencadeado, os emissores, que permitem detetar as alterações no movimento da água e transmitir dados aos serviços competentes, não funcionaram para assinalar que as ondas potencialmente destruidoras não se formaram e as autoridades demoraram cerca de três horas a suspender o aviso de 'tsunami'.

"Os emissores foram vandalizados e não há orçamento suficiente para reparações", disse aos jornalistas o porta-voz da agência, Sutopo Purwo Nugroho.

"Esta situação torna difícil confirmar se um 'tsunami' ocorreu, ou não", acrescentou.

Os emissores integram um sistema de aviso sofisticado criado após o maremoto de 2014, com a ajuda de doadores estrangeiros, orçado em vários milhões de dólares.

Em 2014, um sismo submarino, a noroeste da Indonésia, originou uma onda gigantesca que causou mais de 170 mil mortos em território indonésio e dezenas de milhares em vários outros países da região.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.