sicnot

Perfil

Mundo

Dilma Rousseff diz que denúncias de senador contra ela são fruto de vingança

A Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, considerou esta sexta-feira, em Brasília, que as denúncias que lhe foram dirigidas pelo senador Delcídio do Amaral são "um ato de vingança".

Eraldo Peres

"As acusações que constam na suposta delação premiada de Delcídio do Amaral são fruto de um desejo imoral e mesquinho de vingança contra quem não o defendeu, e que não poderia tê-lo defendido pelos atos que ele praticou", afirmou.

Fazendo uma ampla defesa de todas as acusações do senador, que vieram a público na quinta-feira, depois de a revista Isto É publicar trechos de um acordo feito por Delcídio do Amaral em benefício de uma redução de pena, Dilma defendeu a sua inocência na compra da refinaria de Pasadena.

"O procurador-geral Rodrigo Janot determinou o arquivamento da investigação da participação de membros do Conselho da Petrobras em atos ilegais durante a compra da refinaria de Pasadena porque não era possível computar delito", recordou.

O conselho da petrolífera era presidido por Dilma na época em que houve a controversa compra desta refinaria, que teve recursos desviados ilegalmente para o pagamento de subornos aos funcionários da Petrobras.

O senador também disse que a chefe do Estado brasileira usou a sua influência para evitar a punição de empreiteiros ao nomear o ministro Marcelo Navarro para o Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

"O ministro do Supremo Ricardo Lewandowski desmentiu essa denúncia. A reunião que tive com ele em Portugal e com o ministro da Justiça foi feita para tratar de questões relacionadas com os funcionários do judiciário", sublinhou.

Dilma considerou ainda que carece de qualquer credibilidade a afirmação de Delcídio sobre o encerramento da CPI dos Bingos, que teria sido feita para favorecer a campanha eleitoral da Presidente.

Além de responder às acusações do senador, a Presidente brasileira voltou a manifestar seu "mais absoluto inconformismo" com a prisão coerciva do seu antecessor no cargo, Luiz Inácio Lula da Silva, o qual já tinha defendido num comunicado emitido na tarde de hoje.

Lula foi obrigado a prestar declarações à Polícia Federal para explicar o recebimento de favores indevidos e o recebimento de 7,2 milhões de euros (30 milhões de reais) na manhã desta sexta-feira.

Segundo o Ministério Público, esses recursos saíram dos cofres da Camargo Corrêa, Odebrecht, UTC, OAS, Queiroz Galvão e Andrade Gutierrez, empresas que são investigadas na ação que apura os casos de corrupção da Petrobras.

O procurador federal Carlos Fernando dos Santos Lima, que faz parte do grupo de trabalho da Lava Jato em Curitiba, disse que entre 2011 e 2014 as empreiteiras teriam doado 20 milhões de reais ao Instituto Lula.

Cinco delas também teriam pagado outros 10 milhões de reais por palestras ministradas pelo ex-Presidente brasileiro no mesmo período.

Os investigadores suspeitam que estes recursos tenham sido destinados à Lula para garantir o favorecimento os interesses destas empresas em contratos da Petrobras.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.