sicnot

Perfil

Mundo

Polícia carrega sobre manifestação nas instalações de jornal crítico ao Presidente

A sede do jornal mais vendido da Turquia foi palco de violência com a polícia a carregar sobre a multidão que protestava contra uma decisão judicial que entregou o controlo da publicação ao Estado. A polícia turca usou gás lacrimogéneo e canhões de água para dispersar a multidão e entrar no edifício, em istambul.

Segundo o fotógrafo da agência noticiosa AFP no local, a polícia usou gás lacrimogéneo e canhões de água para dispersar centenas de pessoas que se reuniram em frente à sede do jornal, Zaman, em Istambul, depois de uma decisão judicial sob a tutela do jornal.

Um tribunal de Istambul ordenou a nomeação de um administrador provisório para a liderança do grupo Zaman, noticiou a agência Anatolia, sem precisar as razões da decisão judicial.

O grupo Zaman é considerado próximo do imã Fethullah Gulen, um antigo aliado e agora "inimigo número um" de Erdogan, depois de um escândalo de corrupção em 2013.

O Presidente da Turquia acusa Gulen, 74 anos, de ser a fonte das acusações de corrupção feitas contra si há dois anos com o objetivo de o derrubar.

Lusa

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".