sicnot

Perfil

Mundo

Carro armadilhado explode e provoca pelo menos 47 mortos a sul de Bagdade

Um carro armadilhado explodiu hoje num movimentado posto de controlo nos arredores de Hilla, 80 quilómetros a sul de Bagdad, provocando a morte a pelo menos 47 pessoas, segundo novo balanço de fontes médicas e policiais iraquianas.

ALI ABBAS

"Pelo menos 29 pessoas morreram e 47 ficaram feridas num ataque com um carro bomba que visava atingir o maior posto de controlo a norte de Hilla", disse um porta-voz da polícia.

Várias fotografias postas a circular nas edições "online" da imprensa mostram imagens de grande destruição em redor do posto de controlo, onde normalmente existem grandes filas.

Um médico de um hospital de Hilla indicou que pelo menos 11 dos feridos estão em estado grave.

O grupo Estado Islâmico, que tem reivindicado vários ataques similares, não conseguiu manter as posições a sul da Bagdad desde que as forças de segurança iraquianas, apoiadas por milícias locais, iniciaram a resposta aos ataques 'jihadistas' em finais de 2014.

Em março de 2014, um ataque suicida perpetrado pelo EI provocou a morte a 50 pessoas e ferimentos em mais de 150.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.