sicnot

Perfil

Mundo

Moçambicano suspeito de matar quatro familiares por influência de curandeiro

A Polícia de Manica, centro de Moçambique, deteve hoje um homem suspeito de matar quatro familiares no interior de uma residência, motivado pela feitiçaria, disse à Lusa fonte Policial.

© Grant Neuenburg / Reuters

Elcídia Filipe, porta-voz do comando da Polícia de Manica, contou que o suspeito prendeu por fora a porta da residência do irmão, em Vanduzi, na madrugada de segunda-feira com um arame e de seguida espalhou combustível em redor da construção e incendiou a casa, matando o casal e duas crianças menores.

"Do trabalho feito pela polícia, concluímos que quem executou toda ação ou este ato criminoso foi o irmão do finado, porque foi ao curandeiro, que lhe disse coisas de obscurantismo e decidiu pela via que usou", disse Elcídia Filipe.

Segundo a porta-voz, o homem também sofreu queimaduras, que levantaram suspeitas à polícia.

O suspeito, disse Elcídia Filipe, foi capturado no distrito de Barue, quando estava em fuga para a cidade de Tete, no centro de Moçambique, onde reside, e confessou o crime, justificando-o com o obscurantismo.

A polícia diz que o suspeito acusava o irmão de usar a feitiçaria para enriquecer à custa de mortes de familiares, incluindo alguns dos seus filhos.

A porta-voz mostrou preocupação com este caso, que remete para outros no passado e que têm em comum a motivação do obscurantismo.

"O obscurantismo não serve para fundamentar qualquer comportamento que fere a lei, então ele vai ser responsabilizado", concluiu Elcídia Filipe.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.