sicnot

Perfil

Mundo

Queriam saber como era matar

Luca Varani tinha 23 anos e foi morto na passada sexta-feira em Roma. Os autores confessaram o crime e alegaram que queriam saber como era matar alguém.

(Arquivo)

(Arquivo)

© STRINGER Italy / Reuters

A história do homicídio de Luca Varani está a chocar a Itália. Dois amigos foram detidos e confessaram o crime e o motivo que, mais do que surpreendente, é assustador: queriam saber como é matar alguém. As autoridades suspeitam que terão cometido o crime sob o efeito de álcool e cocaína.

Assim que a polícia entrou no apartamento de Manuel Foffo, amigo do senhorio da vítima, encontrou Varani com uma faca no peito, segundo conta o jornal italiano Corriere de la Sera. Marco Prato, o senhorio, é conhecido por organizar festas homossexuais em Roma e, ao que parece, terá atraído o jovem de 23 anos para o apartamento de Foffo na quinta-feira à noite.

Os dois suspeitos gastaram mais de 1.800 euros em drogas e depois enviaram uma mensagem a Luca Varani na qual lhe ofereciam 100 euros em troca de sexo. Foi desta forma que o jovem foi atraído ao apartamento onde terá sido atacado com um martelo que o deixou inconsciente e onde terá sido, depois, torturado durante a noite de quinta-feira e morto apenas no dia seguinte. Foi encontrado com a cara desfigurada e com marcas de ter sido atacado com um objeto cortante no pescoço.

Num interrogatório feito pela polícia, Manuel Foffo confessou que o crime ficou decidido antes da chegada de Varani. O homem admitiu "O Luca sofreu horrivelmente". Após cometerem o homicídio, os dois homens limparam o apartamento e passaram o resto do dia em casa. "Depois dormimos com o cadáver", concluiu.

Os dois suspeitos estão a ser acusados de homicídio com especial perversidade.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.