sicnot

Perfil

Mundo

Queriam saber como era matar

Luca Varani tinha 23 anos e foi morto na passada sexta-feira em Roma. Os autores confessaram o crime e alegaram que queriam saber como era matar alguém.

(Arquivo)

(Arquivo)

© STRINGER Italy / Reuters

A história do homicídio de Luca Varani está a chocar a Itália. Dois amigos foram detidos e confessaram o crime e o motivo que, mais do que surpreendente, é assustador: queriam saber como é matar alguém. As autoridades suspeitam que terão cometido o crime sob o efeito de álcool e cocaína.

Assim que a polícia entrou no apartamento de Manuel Foffo, amigo do senhorio da vítima, encontrou Varani com uma faca no peito, segundo conta o jornal italiano Corriere de la Sera. Marco Prato, o senhorio, é conhecido por organizar festas homossexuais em Roma e, ao que parece, terá atraído o jovem de 23 anos para o apartamento de Foffo na quinta-feira à noite.

Os dois suspeitos gastaram mais de 1.800 euros em drogas e depois enviaram uma mensagem a Luca Varani na qual lhe ofereciam 100 euros em troca de sexo. Foi desta forma que o jovem foi atraído ao apartamento onde terá sido atacado com um martelo que o deixou inconsciente e onde terá sido, depois, torturado durante a noite de quinta-feira e morto apenas no dia seguinte. Foi encontrado com a cara desfigurada e com marcas de ter sido atacado com um objeto cortante no pescoço.

Num interrogatório feito pela polícia, Manuel Foffo confessou que o crime ficou decidido antes da chegada de Varani. O homem admitiu "O Luca sofreu horrivelmente". Após cometerem o homicídio, os dois homens limparam o apartamento e passaram o resto do dia em casa. "Depois dormimos com o cadáver", concluiu.

Os dois suspeitos estão a ser acusados de homicídio com especial perversidade.

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49