sicnot

Perfil

Mundo

Governo defende reconhecimento da Palestina no quadro da UE

O Governo português defende que o reconhecimento do Estado da Palestina deve ocorrer no quadro da União Europeia e defende que a resolução da questão palestiniana é essencial para "qualquer solução duradoura" no Médio Oriente.

© Ramzi Boudina / Reuters

A posição foi transmitida à Lusa pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que já manifestou o apoio do Governo português à iniciativa do executivo francês de realizar uma conferência internacional para relançar o processo de paz no Médio Oriente.

No final de 2014, o parlamento português aprovou, com os votos do PS, PSD e CDS-PP, uma resolução que recomenda ao Governo o reconhecimento do Estado da Palestina, o que ainda não aconteceu.

"O parlamento português aprovou uma resolução que recomenda ao Governo português que, no momento que entender oportuno, proceda ao reconhecimento do Estado da Palestina. O Governo entende que o quadro em que essa questão deve ser posta é o quadro da União Europeia", referiu Santos Silva.

O chefe da diplomacia portuguesa considerou, por outro lado, que "a iniciativa francesa para uma conferência internacional que relance o processo de paz no Médio Oriente é a iniciativa mais oportuna no momento atual, porque permitirá recolocar na agenda uma questão, a questão palestiniana, que infelizmente tem estado na sombra por outras razões nos últimos tempos".

O executivo liderado por António Costa (PS) e apoiado no parlamento pelo PCP e Bloco de Esquerda tem "uma posição muito clara", que é "deste Governo como de governos anteriores", disse Santos Silva.

"Nós entendemos que não só a resolução da questão palestiniana é uma condição necessária para qualquer solução duradoura no Médio Oriente em geral, como entendemos que não há alternativa a que essa solução seja a solução de dois Estados que se respeitem integralmente um ao outro", sustentou.

O ministro lamentou que o conflito israelo-palestiniano tenha "cedido, sob os holofotes da opinião pública, perante outros conflitos, designadamente na Síria".

"Mas não devemos deixar de prestar atenção à questão israelo-palestiniana", salientou.

A França não reconhecerá automaticamente um Estado palestiniano se a sua iniciativa para relançar o processo de paz com Israel fracassar, garantiu esta quarta-feira no Cairo o chefe da diplomacia francesa, Jean-Marc Ayrault.

No final de janeiro, o seu antecessor, Laurent Fabius, provocou uma forte reação do Estado hebreu, ao propor a realização de uma conferência internacional para relançar um processo de paz que está parado, acrescentando que, se tal fracassasse, Paris reconheceria o Estado palestiniano.

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês encontrava-se em visita oficial ao Egito, onde pretendia relançar a iniciativa de paz entre Israel e a Autoridade Palestiniana, com o objetivo principal de convocar uma conferência internacional "até ao verão", como tinha já anunciado Fabius, a 29 de janeiro.

Lusa

  • Tecnologia e inovação levam Moedas a Israel e Palestina
    4:50

    SIC Europa

    O responsável pela área da Ciência na União Europeia, Carlos Moedas, esteve de visita a Israel e à Palestina. Israel já participou em 3 mil e 200 projectos europeus e é um destacado colaborador no campo cientifico. Em Ramallah, Moedas convidou o governo palestiniano a aumentar a participação no programa Horizonte 2020. O correspondente da SIC Henrique Cymerman acompanhou essa visita.

  • Grécia vai reconhecer o Estado palestiniano

    Mundo

    A Grécia vai reconhecer o Estado palestiniano numa votação que decorrerá na terça-feira no Parlamento na presença do presidente da Palestina, Mahmud Abbas, que inicia hoje uma visita a Atenas, disse à AFP fonte governamental.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.