sicnot

Perfil

Mundo

Guerrilha colombiana das FARC propôe nova data para acordo de paz

A guerrilha das FARC anunciou hoje ter proposto ao governo da Colômbia marcar uma nova data para assinar um acordo de paz, depois de as partes terem reconhecido que 23 de março seria difícil de respeitar.

Negociador das FARC, Pastor Alape.

Negociador das FARC, Pastor Alape.

© Enrique de la Osa / Reuters

"Concordamos com o Presidente colombiano, Juan Manuel Santos que não estão reunidas condições para 23" de março, declarou o negociador dos rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) Joaquin Gomez, em Havana, sede das negociações há mais de três anos.

"Estamos disponíveis para marcar outra data", acrescentou.

Na quarta-feira, Santos recusou a assinatura de "um mau acordo" só para respeitar a data limite fixada em setembro passado, durante um encontro histórico com o comandante supremo das FARC, Timoleon Jimenez.

"Se a 23 de março não for alcançado um bom acordo, proponho à outra parte marcar uma nova data", disse o Presidente colombiano.

O governo e as FARC, principal movimento rebelde do país com cerca de 7.500 combatentes, de acordo com dados oficiais, estão a negociar desde novembro de 2012 o fim de mais de meio século de conflito.

As duas partes assinaram já vários acordos provisórios, nomeadamente sobre uma reforma agrária, a luta contra o tráfico de droga, a participação política dos guerrilheiros, e indemnizações das vítimas.

Em causa está ainda um acordo sobre as modalidades do cessar-fogo bilateral e desarmamento dos rebeldes, que suspenderam as operações desde julho passado.

Ao longo de décadas, o conflito colombiano implicou guerrilhas de extrema-esquerda, paramilitares de extrema-direita e forças armadas, num cenário marcado também pela violência dos grupos de narcotraficantes.

O balanço total é de mais de 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,6 milhões de deslocados.

A assinatura de um acordo definitivo com as FARC será um grande passo no caminho da paz. A seguir, o governo terá que retomar as negociações com a outra guerrilha colombiana, o Exército de Libertação Nacional (ELN).

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.