sicnot

Perfil

Mundo

Inventor da substância Meldonium diz que "dois milhões" a consomem regularmente

O cientista letão Ivar Kalvinsh assegurou hoje que "dois milhões de pessoas consomem regularmente" a substância Meldonium, de que foi inventor, incluída pela Agência Mundial Antidopagem (AMA) na lista de produtos proibidos.

Ben Nichols, porta-voz da AMA afirmou que desde 1 de janeiro de 2016, data na qual o meldonium passou a ser interdito, houve 99 casos positivos registados.

Ben Nichols, porta-voz da AMA afirmou que desde 1 de janeiro de 2016, data na qual o meldonium passou a ser interdito, houve 99 casos positivos registados.

© Ints Kalnins / Reuters

"Recomendo-a a todos. Eu também a tomo quando me sinto cansado. Tomo-a durante 10 dias e fico como novo", assinalou Kalvinsh, de 68 anos, em declarações à Efe.

Kalvinsh manifestou-se "indignado" com a decisão da AMA de proibir a substância Meldonium, sem consultar o seu criador ou apresentar análises clínicas que confirmem que melhora o rendimento dos atletas profissionais.

"É inadmissível que consideram dopante um fármaco que está no mercado há 32 anos", protestou, acrescentando que o Meldonium "é único" e que os países ocidentais "decidiram por isso proibi-lo".

Para Ivar Kalvinsh, "há muita política" na decisão de proibir o uso da substância.

"Querem misturar desporto e política. Não há investigações que confirmem que o Meldonium é uma substância dopante. O que sucede é que se aperceberam que muitos campeões desta região, como [Maria] Sharapova a tomam, é essa a razão", afirmou.

Maria Sharapova revelou na segunda-feira que teve um controlo positivo a meldonium, uma substância que toma desde 2006 e que se tornou proibida este ano, assumindo que não tinha visto a lista atualizada de produtos proibidos.

De acordo com a ITF, a russa foi controlada a 26 de janeiro no Open da Austrália, num teste que revelou a presença do produto proibido, tendo a tenista reconhecido a existência da substância. Maria Sharapova será suspensa preventivamente a partir de 12 de março, até que o caso esteja resolvido.

A russa, que venceu cinco torneios do 'Grand Slam', foi eliminada nos quartos de final do Open da Austrália, que se disputou no final de janeiro.

No entender do cientista natural da Letónia soviética, a substância Meldonium é um fármaco destinado a "salvar vidas", especialmente útil em caso de desportistas profissionais que submetem o seu aparelho cardiovascular a esforços extremos, com os riscos inerentes.

"O atleta que toma este fármaco pode esforçar-se sem risco. Mas isso não é dopagem. O Meldonium protege o seu coração, mas o rendimento depende inteiramente das suas qualidades fisiológicas. Ninguém que o tome se torna num super-homem da noite para o dia", sublinhou.

Lusa

  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.