sicnot

Perfil

Mundo

Livreiros de Hong Kong foram libertados e voltam à China

Os dois livreiros de Hong Kong que estiveram desparecidos e foram libertados pelas autoridades chinesas na semana passada voltaram "silenciosamente" à China, noticia hoje o jornal South China Morning Post.

Cinco livreiros ligados à Causeway Bay Books desapareceram no ano passado durante deslocações à China interior, em Hong Kong e na Tailândia. Meses depois, a China admitiu que todos estavam sob sua custódia.

Cinco livreiros ligados à Causeway Bay Books desapareceram no ano passado durante deslocações à China interior, em Hong Kong e na Tailândia. Meses depois, a China admitiu que todos estavam sob sua custódia.

© Tyrone Siu / Reuters

Segundo fontes do jornal da antiga colónia britânica, os homens regressaram à China horas depois de terem regressado, em dias separados, a Hong Kong e de ambos terem pedido à polícia desta região para arquivar os seus casos de desaparecimento.

Liu Por voltou para Hong Kong na sexta-feira e Cheung Chi-ping no domingo.

Ambos apareceram na China depois de terem desaparecido no ano passado, acusados de fazerem atravessar livros proibidos na China para o outro lado da fronteira sob as instruções do colega Gui Minhai. Afirmaram não precisar de qualquer ajuda do Governo ou da polícia de Hong Kong.

Na quarta-feira, uma fonte disse ao South China Morning Post que os dois cruzaram a fronteira de volta para a China, no mesmo dia em que haviam regressado a Hong Kong.

"O regresso a Hong Kong foi apenas para dizer à polícia para deixar cair o caso deles -- mais nada", disse o presidente do Independent Chinese PEN Centre ao mesmo jornal, apontando que regressaram a Shenzhen, cidade adjacente a Hong Kong no interior da China, com pressa, provavelmente porque é onde têm de permanecer sob custódia. Além disso, é onde as suas famílias estão, afirmou.

Cinco livreiros ligados à editora Mighty Current, especializada em obras críticas do regime comunista chinês e dos seus líderes, desparecerem no ano passado em circunstâncias misteriosas quando se encontravam em Hong Kong, na Tailândia ou durante deslocações à China.

Todos reapareceram depois sob custódia chinesa e protagonizaram confissões transmitidas na televisão estatal chinesa, uma prática habitual no país e que é criticada por organizações de defesa dos direitos humanos, porque consideram que são realizadas sob coação.

Gui, com passaporte sueco, é dono da Mighty Current e tem como sócio Lee Bo, com passaporte britânico. Liu Por era gerente da empresa, Cheung Ji-ping seu assistente e Lam Wing-kei gerente da livraria Causeway Bay Books, propriedade da Mighty Current.

Há também indícios de a Causeway Bay Books, a livraria a que todos estavam ligados, vai acabar.

Woo Chih-wai, que trabalhou na livraria até cinco dos seus associados terem desaparecido, citou a mulher do livreiro Lee Bo, Sophie Choi Ka-ping, dizendo que ela tinha vontade de deixar a loja em maio.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.