sicnot

Perfil

Mundo

Papa Francisco visita Auschwitz no final de julho

O papa Francisco vai visitar o antigo campo de concentração alemão de Auschwitz-Birkenau, no âmbito das Jornadas Mundiais da Juventude, que se realizam em Cracóvia no final de julho e que serão presididas pelo pontífice.

© Stefano Rellandini / Reuters

De acordo com o programa preliminar, no terceiro dia da sua visita à Polónia, Francisco deverá viajar até para Auschwitz, no sul do país, a 29 de julho, disse o presidente da agência de informação católica KAI, Marcin Przeciszewski.

Esta não é a primeira vez que um papa visita Auschwitz: João Paulo II visitou em 1979 o antigo campo, símbolo do Holocausto dos judeus da Europa, e Bento XVI também o fez em 2006.

O papa deverá permanecer cinco dias na Polónia, estando prevista a sua chegada a 27 de julho.

O programa prevê que, no segundo dia, Francisco visite o santuário mariano de Czestochowa, onde deverá celebrar uma missa para marcar o 1.050.º aniversário do batismo da Polónia.

No primeiro dia, e porque o papa é o chefe de Estado do Vaticano, Francisco deverá reunir-se com o presidente Andrzej Duda e outros altos funcionários.

O tema central do Dia Mundial da Juventude será a Misericórdia, segundo uma decisão do papa em relação a todo o ano de 2016.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares