sicnot

Perfil

Mundo

Japão, EUA e França vão trabalhar juntos para desmantelar central nuclear de Fukushima

Japão, Estados Unidos e França vão trabalhar juntos para desmantelar a central nuclear de Fukushima. Os três governos vão trabalhar para desenvolver as tecnologias necessárias para retirar o combustível fundido da central nuclear. Na sexta-feira, dia 11, fez cinco anos desde que um terramoto, seguido de um tsunami, provocou a pior crise nucelar desde Chernobil em 86. Em cinco anos foi concluído apenas 10 por cento do trabalho para desmantelar a central.

Japão, 11 de março de 2011: um sismo de magnitude 9 seguido de um tsunami devastou a região de Tohoku (nordeste), fazendo quase 19.000 mortos e provocando um grave acidente nuclear na central de Fukushima.

Japão, 11 de março de 2011: um sismo de magnitude 9 seguido de um tsunami devastou a região de Tohoku (nordeste), fazendo quase 19.000 mortos e provocando um grave acidente nuclear na central de Fukushima.

© Yomiuri Yomiuri / Reuters

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.