sicnot

Perfil

Mundo

Líderes da Alemanha, França e Ucrânia pedem libertação imediata da piloto ucraniana

Os líderes da Alemanha, França e Ucrânia exigiram esta quinta-feira a libertação imediata e o regresso ao seu país da piloto ucraniana Nadezhda Savchenko, julgada na Rússia pela morte de dois jornalistas russos no leste da Ucrânia.

© POOL New / Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, o Presidente francês, François Hollande, e o seu homólogo ucraniano, Petro Poroshenko, "exigiram em conjunto a libertação imediata e o regresso à Ucrânia de Nadezhda Savchenko", assinalou o Governo alemão, após uma reunião que decorreu em Bruxelas entre os três líderes.

Poroshenko, que também se reuniu com os presidentes do Parlamento europeu, Martin Schulz, do Conselho europeu, Donald Tusk, e da Comissão europeia, Jean-Claude Juncker, também se referiu no decurso da cimeira à situação política interna ucraniana.

"Todas as partes coincidiram na urgência da implementação dos acordos de Minsk e no prosseguimento, por parte da Ucrânia, do caminho das reformas", indicou Steffen Seibert, o porta-voz de Merkel.

No encontro foi ainda sublinhada a necessidade de um respeito integral do cessar-fogo, a retirada e verificação do armamento e o acesso sem obstáculos da missão de observação da OSCE à antiga linha da frente.

Merkel, Hollande e Poroshenko também sublinharam a necessidade de promover eleições em "determinadas áreas" de Donetsk e Lugansk, em conformidades com os acordos de Minsk, e garantia de segurança nessas eleições.

O conclave também recordou que o levantamento das sanções contra a Rússia permanece dependente da aplicação dos acordos de Minsk e reafirmaram a posição da União Europeia do "não-reconhecimento da anexação ilegal da península da Crimeia", indicou o Governo alemão.

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44