sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que ainda não se fez "o suficiente" para eliminar a discriminação racial

A Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu hoje que ainda não se fez "o suficiente" para eliminar a discriminação racial, lamentando a "onda de intolerância", assente em "oportunismo político", que varre o mundo atualmente.

© Denis Balibouse / Reuters

Na mensagem divulgada hoje a propósito do Dia Mundial para a Eliminação da Discriminação Racial, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, assinala que "o mundo percorreu, sem dúvida, um longo caminho para assegurar a igualdade de direitos e a não discriminação".

Porém, assiste-se atualmente "a uma onda de intolerância, visões racistas e violência impulsionada pelo ódio", alerta, sublinhando que "a discriminação racial e a violência contra certas comunidades têm vindo a aumentar".

Ban Ki-moon constata que "as dificuldades económicas e o oportunismo político estão a desencadear o aumento das hostilidades em relação às minorias", apontando o caso concreto da "violência contra refugiados e migrantes e, em particular, contra os muçulmanos".

Esse "oportunismo político" tem partido, sobretudo, de partidos de extrema-direita, que "estão a fomentar divisões e mitos perigosos", mas também "os partidos do centro começaram a endurecer as suas posições", realça o máximo responsável da ONU.

"A xenofobia está a aumentar de forma alarmante em países outrora moderados", avalia Ban Ki-moon, que, ao "risco de fratura social, instabilidade e conflito", contrapõe "os direitos e a dignidade para todos, a diversidade e o pluralismo".

Lusa

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC