sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que ainda não se fez "o suficiente" para eliminar a discriminação racial

A Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu hoje que ainda não se fez "o suficiente" para eliminar a discriminação racial, lamentando a "onda de intolerância", assente em "oportunismo político", que varre o mundo atualmente.

© Denis Balibouse / Reuters

Na mensagem divulgada hoje a propósito do Dia Mundial para a Eliminação da Discriminação Racial, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, assinala que "o mundo percorreu, sem dúvida, um longo caminho para assegurar a igualdade de direitos e a não discriminação".

Porém, assiste-se atualmente "a uma onda de intolerância, visões racistas e violência impulsionada pelo ódio", alerta, sublinhando que "a discriminação racial e a violência contra certas comunidades têm vindo a aumentar".

Ban Ki-moon constata que "as dificuldades económicas e o oportunismo político estão a desencadear o aumento das hostilidades em relação às minorias", apontando o caso concreto da "violência contra refugiados e migrantes e, em particular, contra os muçulmanos".

Esse "oportunismo político" tem partido, sobretudo, de partidos de extrema-direita, que "estão a fomentar divisões e mitos perigosos", mas também "os partidos do centro começaram a endurecer as suas posições", realça o máximo responsável da ONU.

"A xenofobia está a aumentar de forma alarmante em países outrora moderados", avalia Ban Ki-moon, que, ao "risco de fratura social, instabilidade e conflito", contrapõe "os direitos e a dignidade para todos, a diversidade e o pluralismo".

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.