sicnot

Perfil

Mundo

Europa está em guerra, diz primeiro-ministro francês

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, salientou hoje que a Europa está "em guerra" e que para enfrentar a atual ameaça terrorista é necessária a mobilização de todos.

Manuel Valls, primeiro-ministro francês

Manuel Valls, primeiro-ministro francês

© POOL New / Reuters


"Estamos em guerra. A Europa sofre desde há varios meses atos de guerra. E perante esta guerra é necessária uma mobilização de todas as instâncias", disse Valls no final de uma reunião do gabinete de crise no Eliseu.

O encontro realizou-se na sequência dos atentados no aeroporto e numa estação de metro em Bruxelas que provocaram pelo menos 21 mortos e dezenas de feridos.

Valls salientou a importância de todas as forças de segurança "estarem particularmente mobilizadas" perante a ameaça.

Pouco antes, o ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, tinha anunciado que o governo decidiu destacar mais 1.600 polícias em todo país para reforçar o controlo das fronteiras e das infraestruturas de transporte aéreo, marítimo e ferroviário.

Pelo menos 21 pessoas morreram hoje em explosões no aeroporto de Zaventem e na estação de metro de Maalbeek, em Bruxelas, segundo um primeiro balanço de um porta-voz dos serviços de emergência.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.