sicnot

Perfil

Mundo

Obama deixa Havana depois de uma visita histórica de três dias

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deixou esta terça-feira Cuba, depois de uma visita histórica de três dias, durante a qual se declarou a favor das liberdades civis e da aproximação entre os dois países.

© Carlos Barria / Reuters

Barack Obama e a sua família foram acompanhados ao aeroporto pelo presidente cubano, Raúl Castro, de onde partiu às 16:20 locais (20:20 em Lisboa) em direção à Argentina, onde são esperados para uma visita de dois dias.

Obama foi o primeiro líder norte-americano a visitar Cuba nos últimos 88 anos.

Após mais de 50 anos sem relações diplomáticas, os Estados Unidos e Cuba anunciaram a 17 de dezembro de 2014 uma aproximação histórica entre os dois países, separados unicamente pelos 150 quilómetros do Estreito da Florida.

Depois de vários meses de rondas negociais, os líderes norte-americano Barack Obama, e cubano, Raul Castro, anunciaram a 01 de julho de 2015 o restabelecimento das relações diplomáticas e a abertura de embaixadas nas capitais de cada país.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.