sicnot

Perfil

Mundo

Condutor e o proprietário da carrinha do acidente em França acusados de homicídio

O condutor e o proprietário da carrinha cujos 12 passageiros morreram numa colisão no centro de França foram acusados de homicídio e de ferimentos involuntários agravados, indicou hoje fonte judicial francesa.


Citado pela agência France Presse, Pierre Gagnoud, procurador de Moulins, localidade próxima do local do acidente, indicou que o condutor, de 19 anos, e o tio, proprietário da carrinha, estão detidos provisoriamente até domingo, depois de terem pedido um adiamento para que possam preparar a sua defesa.

"A detenção provisória não altera em nada uma decisão" posterior sobre se se mantêm presos, acrescentou Pierre Gagnoud, salientando que o caso vai necessitar de investigações no estrangeiro.

"(O condutor da carrinha) respondeu com sinceridade aos investigadores, mas não conseguiu explicar, para já, as circunstâncias do acidente. Está com um dificuldades em lembrar-se do que aconteceu, Apenas se recorda dos socorristas", indicou o advogado do jovem motorista, Antoine Jauvat.

Segundo os advogados, os dois homens estão "profundamente marcados", pois também têm familiares entre as vítimas.

"Foi por essa razão que eles afirmaram desejar pôr fim às suas vidas, razão pela qual foram imediatamente levados para a ala de psiquiatria", acrescentou o advogado do proprietário da carrinha, William Hillairaud.

As 12 vítimas, que viviam na Suíça, deslocavam-se a Portugal para passar a Páscoa numa carrinha de seis lugares.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras