sicnot

Perfil

Mundo

Aquecimento global ameaça ativos financeiros avaliados em biliões de dólares

Os efeitos das alterações climáticas até 2100 podem ameaçar ativos financeiros no valor de biliões (milhões de milhões) de dólares, avisaram economistas do clima, em estudo publicado hoje na revista Nature Climate Change.

© Stephane Mahe / Reuters

Se o aquecimento global exceder os níveis anteriores à Revolução Industrial em 2,5 graus Celsius (ºC) até 2100, investimentos avaliados em 2,5 biliões de dólares (2,2 biliões de euros) podem estar ameaçados, quantificaram os autores do estudo.

Este valor corresponde a metade da atual capitalização bolsista das empresas que exploram os hidrocarbonetos.

Mas mesmo no melhor cenário de um aquecimento limitado a 2ºC, acordado na cimeira de Paris, em dezembro último, o valor dos ativos em riscos rondaria os 1,7 biliões de dólares.

As alterações climáticas podem destruir ativos diretamente, por exemplo através do aumento do nível do mar, desvalorizando-os, ou provocando a rutura de atividades económicas, através de secas ou tempestades fora do normal.

Muita pesquisa tem sido focada nos investimentos em petróleo, carvão e gás que vão ser perdidos se o mundo virar as costas aos combustíveis fósseis, em favor de fontes de energia renováveis, conforme o objetivo mencionado dos 2ºC.

Este novo estudo procura inovar com a primeira estimativa do impacto das alterações climáticas sobre o próprio valor dos ativos financeiros.

As projeções, usando modelos matemáticos, foram baseadas no valor estimado em 143,3 biliões de dólares dos ativos financeiros mundiais não bancários em 2013, segundo a Comissão para a Estabilidade Financeira, entidade de vigilância financeira, integrada por vários bancos centrais.

Um aquecimento global em 2,5ºC, previram os autores do estudo, colocaria em risco o equivalente a 1,8% dos ativos financeiros.

Os cientistas estimaram que o mundo está a caminho de um aquecimento de quatro graus ou mais, a manter-se a tendência das emissões de gases com efeito de estufa, aumento que baixa para 3ºC se os Estados cumprirem os compromissos apresentados em paris.

Um dos coautores, Simon Dietz, do Instituto Grantham de Investigação em Alterações Climáticas, alertou que o aquecimento global e as suas consequências deveriam ser um assunto importante tanto para todos os investidores de longo prazo, como fundos de pensões, como para os reguladores financeiros.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.