sicnot

Perfil

Mundo

Estudantes muçulmanos dispensados de cumprimentar professoras num distrito na Suíça

Os estudantes muçulmanos do sexo masculino podem deixar de cumprimentar com um aperto de mão as professoras, segundo uma decisão aprovada num distrito do norte da Suíça, foi hoje divulgado.

© Olivia Harris / Reuters

As autoridades do setor educativo do distrito de Therwil, no cantão de Basileia, aprovaram esta medida depois de dois estudantes muçulmanos do sexo masculino terem contestado o hábito suíço de dar um aperto de mão aos professores.

Os estudantes alegaram que, caso o docente fosse do sexo feminino, o costume era contrário às suas crenças religiosas, uma vez que islamismo não permite o contacto físico com uma pessoa do sexo oposto, à exceção de determinados membros da família.

A decisão causou polémica na Suíça. Felix Mueri, que lidera a comissão parlamentar para a Ciência, Educação e Cultura, insistiu que "o aperto de mão faz parte da cultura" daquele país.

"É um gesto de respeito e de boas maneiras", afirmou o representante, em declarações a um 'site' de notícias local.

Christoph Eymann, responsável pelo organismo que coordena as autoridades educativas de todos cantões, defendeu que "tais exceções às regras não são a solução".

"Não podemos tolerar que as mulheres no serviço público sejam tratadas de forma diferente dos homens", disse o responsável à televisão suíça.

Por sua vez, Christine Akeret, responsável pelo sistema educativo do distrito de Therwil, afirmou à comunicação social não estar satisfeita com a decisão, admitindo, no entanto, que não viu outra opção.

"É difícil quando alguém se recusa a adotar o nosso modo de vida", afirmou Christine Akeret, esclarecendo que não obteve qualquer apoio das autoridades do cantão quando expôs o problema.

As autoridades do cantão de Basileia, que têm o poder de revogar a decisão assumida pelo distrito de Therwil, não comentaram, até ao momento, esta situação, segundo a agência noticiosa francesa AFP.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.