sicnot

Perfil

Mundo

Familiares de vítimas da Germanwings indignam-se com anúncio de pais de copiloto

Familiares das vítimas da queda do avião A320 da Germanwings expressaram indignação no diário alemão Bild de hoje, após a publicação pelos pais do copiloto Andreas Lubitz, que causou intencionalmente o desastre, de um anúncio em sua memória.

© Emmanuel Foudrot / Reuters

Os pais de Lubitz divulgaram num jornal da sua região do oeste da Alemanha agradecimentos dirigidos à sua cidade, Montabour, ao seu pastor e aos seus vizinhos, proclamando o seu amor pelo filho morto e os seus "medo e incompreensão", sem evocarem diretamente o drama nem as 149 vítimas da queda do avião.

"No anúncio de agradecimento da família Lubitz, o seu filho é descrito como uma pessoa de valor. Não conseguimos encontrar palavras suficientes para expressar a nossa indignação", reagiram os pais de uma vítima de 24 anos, citados no Bild.

"Posso compreender o desgosto dos pais que perderam o seu filho. Mas publicar este anúncio sem mencionar as 149 pessoas que este homem assassinou, não tenho palavras", comentou outro pai de uma vítima.

A 24 de março de 2015, Andreas Lubitz, que tinha graves problemas psicológicos, precipitou um avião A320 contra os Alpes franceses, matando todas as pessoas a bordo.

Lusa

  • Avião da Germanwings caiu há um ano
    2:24

    Airbus cai nos Alpes

    Faz hoje um ano que o avião da Germanwings caiu nos Alpes Franceses, matando as 150 pessoas que iam a bordo. Segundo o relatório final, o acidente foi causado pelo copiloto que sofria de depressão e que durante o voo trancou-se no cockpit e fez descer intencionalmente o aparelho. Os familiares pedem agora indemnizações à Lufthansa e acusam a empresa de negligenciar os problemas do copiloto. Amigos e familiares das vítimas participam hoje em várias cerimónias de homenagem às 150 pessoas que morreram no acidente do ano passado.

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.