sicnot

Perfil

Mundo

Jornal de Angola fala em "cumplicidade criminosa" portuguesa na guerra

O Jornal de Angola volta hoje a criticar Portugal, em editorial, acusando "cumplicidade criminosa" de alguns "setores" na guerra civil que terminou há 14 anos e a atual "incompreensão absurda" portuguesa e europeia.

Sob o título "As lições da História", o diário estatal angolano recorda o 04 de abril de 2002, quando foi assinado o acordo de cessar-fogo no país entre as forças governamentais e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), concluindo quase trinta anos de guerra civil, hoje celebrado como dia da Paz e da Reconciliação Nacional.

"Há 14 anos o país estava completamente devastado. A guerra lançada após as eleições de 1992 pela UNITA de Jonas Savimbi foi das mais destrutivas que Angola e África alguma vez viram e contou com a cumplidade criminosa de setores em Portugal e na Europa que preferiam continuar a ter uma Angola fraca a uma Angola igual entre as nações do Mundo", lê-se, mas sem concretizar.

Recordando que em 2002 o país precisava do apoio dos doadores europeus, o jornal angolano justifica a parceria entretanto encetada com a China, para a reconstrução nacional.

"As autoridades angolanas precisavam do cumprimento das promessas feitas pelos doadores internacionais em Bruxelas, mas essas foram-lhes recusadas pelos mesmos que criticam hoje o facto de Angola querer fazer o seu caminho sozinha. Quando as portas são fechadas -- como hoje volta a acontecer -- como não seguir pela alternativa que sobra, a de caminhar caminhando", questiona o editorial.

Depois de criticar no sábado as posições críticas assumidas pelo Governo e Assembleia da República de Portugal e pela União Europeia no caso das condenações -- e proporção das penas aplicadas -, pelo tribunal de Luanda, de 17 ativistas a penas de prisão de até oito anos e meio de cadeia, o diário volta a apontar o dedo à gestão portuguesa e europeia da relação com Angola.

"Hoje as atenções estão viradas para o processo de reforço das instituições do Estado democrático de direito e de diversificação económica. Os angolanos estão outra vez a arregaçar as mangas, mas novamente contam com a incompreensão absurda de Portugal e da União Europeia", lê-se.

O Jornal de Angola vai mais longe e garante que não há alternativa de poder no país, elogiando o desempenho de José Eduardo dos Santos, Presidente angolano desde 1979 e que anunciou em março último que deixa a vida política ativa em 2018.

"Os dirigentes europeus não se coíbem de mentir aos seus próprios povos sobre a realidade angolana e afirmam abertamente que pugnam pelo isolamento internacional do Governo angolano, como se houvesse uma alternativa ao atual poder em Angola que não fosse mais um aventureirismo político", conclui o diário estatal angolano.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59