sicnot

Perfil

Mundo

Rafael Marques denuncia situação dos 17 ativistas angolanos junto do governo dos EUA

O ativista angolano Rafael Marques denunciou hoje em Washington, junto do Departamento de Estado norte-americano, a situação em que se encontram os 17 ativistas recentemente condenados em Luanda.

Jornalista angolano Rafael Marques (Arquivo/ Lusa)

Jornalista angolano Rafael Marques (Arquivo/ Lusa)

Paulo Cunha

Rafael Marques reuniu-se esta segunda-feira na capital dos Estados Unidos com Steve Feldstein, subsecretário de Estado adjunto para os Direitos Humanos, e com Todd Haskell, subsecretário de Estado adjunto para os Assuntos Africanos.

Segundo o autor do livro "Diamantes de Sangue", a reunião deveu-se à "preocupação" que o governo dos Estados Unidos tem manifestado em relação à situação dos direitos humanos em Angola tendo sido, por isso, "abordado de forma extensa o caso dos 17 ativistas" recentemente condenados em Luanda a penas de prisão.

O tribunal de Luanda condenou, no dia 28 de março, a penas entre dois anos e três meses e oito anos e seis meses de prisão efetiva os 17 ativistas angolanos que estavam desde 16 de novembro de 2015 a ser julgados por coautoria de atos preparatórios para uma rebelião e associação criminosa.

"Os dois subsecretários de Estado exprimiram a sua preocupação com o que está a acontecer e ouviram-me como uma voz independente. Falamos também do caso do Marcos Mavungo e Arão Tempo, de Cabinda, e que estão neste momento também numa situação delicada, que deve ir a julgamento em breve", acrescentou o também jornalista angolano.

Rafael Marques disse à Lusa que destacou durante a reunião "sobretudo" a situação dos ativistas Nito Alves e Nuno Dala, que estão em greve de fome.

"A administração norte-americana mostrou também grande preocupação sobre o que está a acontecer com estes jovens (Nito Alves e Nuno Dala). Tive a oportunidade de explicar que não têm recebido a atenção médica requerida nas condições de prisão, que são desumanas", afirmou Rafael Marques.

Durante o encontro no Departamento de Estado norte-americano, o jornalista angolano disse que se referiu também à forma como o poder judicial angolano "tem sido usado para perseguir ativistas".

Na sexta-feira passada, os Estados Unidos consideraram que as "duras" condenações aplicadas aos ativistas angolanos são uma ameaça à liberdade de expressão e apelaram ao Governo de Luanda pela defesa dos direitos constitucionais dos cidadãos.

"Os Estados Unidos consideram que as duras sentenças aplicadas pelo tribunal angolano contra os ativistas (15+2) ameaçam o exercício das liberdades de expressão e de reunião pacífica", referia o comunicado de imprensa do Departamento de Estado da administração norte-americana divulgado no final da semana passada.

Além do encontro mantido hoje com os responsáveis do Departamento de Estado, Rafael Marques reuniu-se também com congressistas norte-americanos e tem encontros agendados no Senado dos Estados Unidos, na terça-feira.

"Tudo faremos para que os nossos compatriotas sejam libertados e aqueles que realmente constituem uma 'associação de malfeitores' em Angola, que são aqueles que estão a roubar o país, que estão a desgraçar os angolanos, que estão a espoliar e a matar a dignidade dos angolanos, que sejam esses indivíduos, em última instância, a serem julgados e não aqueles que procuram de forma pacífica fazer ouvir as suas vozes e o bem-comum", concluiu Rafael Marques.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.