sicnot

Perfil

Mundo

Acordo com o Podemos "é impossível e inviável" para o Ciudadanos

O Ciudadanos considera que é "impossível e inviável" um acordo a três com PSOE e Podemos "nas atuais condições" e com as propostas que o partido de Pablo Iglesias colocou na reunião de hoje entre estas forças.

© Juan Medina / Reuters

"Não descartamos em absoluto [que os três partidos cheguem a acordo], mas nas atuais condições e com estas propostas, acreditamos que é impossível e inviável depois da reunião de hoje", considerou hoje o vice-secretário-geral do Ciudadanos, José Manuel Villegas, após as mais de duas horas de encontro.

Villegas explicou que a reunião pôs em evidência "posições muito distantes", especialmente pela parte do Podemos, que quer "substituir" o acordo que o Ciudadanos já tem com os socialistas.

"Desde o início que se viu que as posições eram distantes neste âmbito", disse.

Para o responsável do partido de Albert Rivera, o Podemos de Pablo Iglesias manifestou na reunião que o acordo já assinado entre Ciudadanos e PSOE "era insuficiente" e "estava na via morta", pelo que "havia de procurar novas alternativas".

"Puseram em cima da mesa um documento com 20 medidas que substituiria o acordo com 200 propostas que já tínhamos assinado. (...) E nós não podemos aceitar que o acordo com o PSOE e o Ciudadanos seja colocado na via morta", realçou Villegas.

O mesmo responsável acrescentou que o Ciudadanos acreditava que esta reunião serviria para que o Podemos se juntasse ao referido acordo, nomeadamente dando apoio "a futuro um governo reformista" encabeçado pelo socialista Pedro Sánchez.

"A ideia com que fomos para a reunião não era dar como morto o documento, mas sim ampliar a maioria", disse Villegas, acrescentando ter ficado com a ideia de que "num novo acordo [PSOE e Podemos] o Ciudadanos não faria falta".

Ainda assim, Villegas agradeceu a "franqueza" do Podemos ao expor a suas posições e referiu que não ficou marcada nenhuma outra reunião a três sobre este assunto.

O PSOE, o Podemos e o Ciudadanos reuniram-se hoje, pela primeira vez a três, para tentar encontrar uma solução de governo em Espanha, mas as posições mantiveram-se afastadas quando lhes restam 25 dias para evitar novas eleições legislativas.

Os socialistas do PSOE, de Pedro Sánchez, (90 deputados) já têm um acordo com o Ciudadanos de Albert Rivera (centro-direita, 40 deputados) e ambos pretendem que o Podemos de Pablo Iglesias (69 deputados) também assine um documento que lista 200 medidas políticas baseadas nos programas das duas formações.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".