sicnot

Perfil

Mundo

PSOE reitera que "acordo de governo é possível" mas "muito difícil"

O porta-voz parlamentar do PSOE, Antonio Hernando, manifestou hoje a vontade do seu partido de continuar a negociar um acordo de formação de governo em Espanha com os partidos Ciudadanos e Podemos, ressalvando que será "muito difícil, mas possível".

(Arquivo)

(Arquivo)

© Albert Gea / Reuters

Hernando, que falava no final de mais de duas horas de reunião entre as três forças - e já depois de Pablo Iglesias (Podemos) ter adiado a sua conferência de imprensa -, reafirmou a linha do seu partido: um acordo do PSOE apenas com o Ciudadnos soma 130 votos e com as forças de esquerda soma 161 votos. Ambas são insuficientes, realçou.

"Acreditamos que a única via possível é um projeto plural que junte as três forças políticas que representam a via da mudança. Ou seja, que reúna 199 deputados ou mais. Continuamos a acreditar que podemos alcançar um acordo, mas há muito trabalho pela frente", disse.

Ainda antes da presença de Hernando na sala de imprensa do Congresso dos Deputados, o vice-secretário-geral do Ciudadanos, José Manuel Villegas, tinha declarado que "nas atuais condições" um acordo com o Podemos "é impossível e inviável".

O Podemos, explicou Villegas, apresentou na reunião a três um documento com 20 propostas que visava substituir o acordo com mais de 200 medidas já assinado entre o Ciudadanos e o PSOE.

Villegas explicou que iria analisar as medidas do Podemos, "por uma questão de consideração", mas salientou que a ideia que o seu partido tinha era de que o partido de Iglesias se poderia juntar ao atual acordo e não acabar com ele e substituí-lo por outro.

Questionado sobre se o PSOE vai "rasgar" o acordo com o Ciudadanos para poder voltar a negociar a dois com o Podemos, Antonio Hernando rejeitou essa possibilidade.

"O acordo continua em vigor, não vamos rasgá-lo. Somos um partido sério e cumprimos com os nossos compromissos", sublinhou.

No entanto, Hernando ressalvou que o acordo com o Ciudadanos pode ser "complementado", "ampliado" e "melhorado" com novos contributos do Podemos.

Por isso mesmo, os socialistas vão "estudar com seriedade" e com "toda a vontade" o documento de 20 propostas entregue pelo Podemos.

Entre as 20 propostas consta uma que nem o PSOE, nem o Ciudadanos se mostram dispostos a aceitar, sob qualquer condição: dar o direito a decidir a algumas regiões autonómicas sobre uma eventual independência.

O PSOE, o Podemos e o Ciudadanos reuniram-se hoje, pela primeira vez a três, para tentar encontrar uma solução de governo em Espanha, mas as posições mantiveram-se afastadas quando lhes restam 25 dias para evitar novas eleições legislativas.

Os socialistas do PSOE, de Pedro Sánchez, (90 deputados) já têm um acordo com o Ciudadanos de Albert Rivera (centro-direita, 40 deputados) e ambos pretendem que o Podemos de Pablo Iglesias (69 deputados) também assine um documento que lista 200 medidas políticas baseadas nos programas das duas formações.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.