sicnot

Perfil

Mundo

Dubai vai construir maior torre do mundo

O Dubai vai construir a maior torre do mundo, que irá superar os 828 metros do Burj Khalifa (163 andares), o arranha-céus que detém o recorde também situado no mesmo emirado, indicou hoje a empresa que pretende desenvolver o projeto.

© POOL New / Reuters

A construção do edifício vai custar 1.000 milhões de dólares (880 milhões de euros), sublinhou o presidente do conselho de administração da Emaar, Lohamed Alabbar, referindo que a altura final do arranha-céus será divulgada quando se atingir os 828 metros.

A empresa, segundo Alabbar, quer oferecer o arranha-céus à cidade antes de 2020, o ano em que o Dubai vai acolher a exposição mundial de comércio justo.

Desenhado pelo arquiteto suíço-espanhol Santiago Calatrava Valls, a torre vai albergar residências, lojas e restaurantes.

A Burj Khalifa, com 828 metros de altura, custou 1.500 milhões de dólares (1.320 milhões de euros) e foi inaugurada em janeiro de 2010.

Alabbar descreveu a nova estrutura como "um monumento elegante".

"Muitos gostavam de ter uma vista" quando procuram uma casa, acrescentou, salientando que todos os apartamentos terão uma panorâmica "deslumbrante".

A torre terá um corpo esguio e elegante, evocando a imagem de um minarete, e será ancorada no solo com cabos robustos, sublinhou o responsável da Emaar.

O Dubai criou a reputação de construir dezenas de arranha-céus futuristas, que acabaram por transformar a vista na cidade.

Porém, na Arábia Saudita, a empresa local Kingdom Holding está também a construir em Jidá, a segunda maior cidade do país, uma torre projetada para ultrapassar um quilómetro em altura, obra cuja conclusão se prevê para 2020.

Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.