sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 12 militares mortos em ataque suicida no Afeganistão

Pelo menos 12 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas hoje quando um bombista suicida atacou um autocarro com recrutas do exército, perto da cidade de Jalalabad, anunciaram as autoridades.

© Parwiz Parwiz / Reuters

"No ataque, foram mortos 12 recrutas", afirmou Ataullah Khogyani, porta-voz da província de Nangarhar.

Dawlat Waziri, porta-voz do ministro da Defesa, confirmou o atentado e o número de vítimas, acrescentando que o atacante se deslocava num triciclo motorizado.

"Os recrutas estavam a ser transferidos de Jalalabad para Cabul", disse Waziri, referindo que o ataque fez 26 feridos.

Ehsansullah Shinwari, responsável de um hospital regional da província de Nangarhar, disse que 38 pessoas ficaram feridas no atentado.

O ataque ocorreu dias após o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, ter realizado uma visita inesperada a Cabul para sublinhar o apoio dos Estados Unidos no governo de unidade nacional e para apelar aos rebeldes talibãs para regressarem às conversações de paz diretas.

O atentado ainda não foi reivindicado.

Mas os talibãs, que mantêm uma revolta contra o governo desde que foram derrubados do poder desde 2001, atingem frequentemente os militares.

O Daesh também ganhou espaço na província de Nangarhar nos últimos anos.

O brigadeiro general Wilson Shoffner, porta-voz das operações militares lideradas pelos Estados Unidos no Afeganistão, afirmou em março que o grupo está principalmente limitado a um distrito da província.

Muitos dos elementos do Daesh são antigos combatentes talibãs paquistaneses que "mudaram a sua fidelidade para o Daesh", disse Shoffner.

Com Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.