sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 350 corpos enterrados em vala comum na Nigéria

Cerca de 350 corpos foram enterrados numa vala comum no seguimento de confrontos entre o exército e os membros da minoria xiita, declarou um dirigente no quadro de um inquérito sobre os incidentes ocorridos no final de 2015.

O testemunho de Muhammad Namadi Musa, diretor-geral da Comissão Interministerial do Estado de Kaduna, corroborou as informações que indicavam que pelo menos 320 pessoas tinham sido mortas nos confrontos de 12 de dezembro, no norte do país.

Os acontecimentos desenrolaram-se em Zaria, bastião do Movimento Islâmico da Nigéria (MIN), onde uma barragem na estrada, erigida pelo movimento para se realizar uma procissão religiosa, bloqueou a coluna onde seguia o principal chefe militar nigeriano, o general Tukur Yusuf Buratai.

Os militares acusaram os apoiantes do chefe do MIN, Ibrahim Zakzaky, de tentativa de assassínio do general, o que foi desmentido pelo grupo xiita.

A organização não-governamental (ONG) Amnistia Internacional, que tinha estimado a existência de "várias centenas" de mortos, declarou que esta revelação era "uma etapa importante para levar os presumíveis responsáveis destes crimes" perante um tribunal.

Muhammad Namadi Musa adiantou aos investigadores ter recebido uma chamada telefónica em 13 de dezembro, para que se deslocasse à sede do governo regional de Kaduna, onde lhe ordenaram que fosse a Zaria com o chefe da polícia do Estado de Kaduna, "para determinar o número de cadáveres e a maneira de os enterrar".

No hospital universitário Ahmadu Bello "contaram-se 156 corpos", enquanto outros 191 estavam na base militar de Zaria, disse.

"A maior parte dos corpos estavam vestidos de negro e contavam-se mulheres e crianças", especificou aos investigadores, acrescentando que os cadáveres tinham sido transportados por uma coluna de camiões, escoltada por militares.

O exército nigeriano, que tem sido acusado de graves violações dos direitos do homem na repressão da insurreição dos sunitas do Boko Haram, defendeu-se garantindo que os soldados tinham respeitado as regras em Zaria.

Não há um balanço oficial dos confrontos.

A ONG Human Rights Watch avançou que "pelo menos 300 pessoas" foram mortas e a Aministia adiantou "centenas". O exército considerou estes números "sem fundamento".

Uma fonte médica no hospital Ahmadu Bello tinha declarado em janeiro à AFP que contou pelo menos 400 corpos na morgue, na noite de 12 de dezembro.

O MIN, por seu turno, garantiu que desconhece o paradeiro de 730 dos seus membros, que admite terem sido "ou mortos pelos militares, ou detidos". O movimento acusa o governo de deter ilegalmente o seu chefe e reclama a sua libertação.

O Ministério Público declarou em fevereiro que 191 xiitas tinham sido acusados de violação da legislação sobre armas de fogo e da ordem pública.

Ibrahim Zakzaky e o MIN têm tido problemas com as autoridades nigerianas devido à sua tentativa de criação de um Estado islâmico à iraniana. O chefe religioso já foi preso por várias vezes.

Na Nigéria os xiitas são uma pequena minoria no seio da comunidade muçulmana, essencialmente sunita, que é a maioria da população.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.