sicnot

Perfil

Mundo

FBI pagou a piratas informáticos para aceder a telemóvel de autor de tiroteio

O FBI pagou a "piratas informáticos profissionais" para conseguir aceder ao telemóvel usado pelo autor do tiroteio ocorrido em dezembro na localidade californiana de San Bernardino, nos Estados Unidos, que fez 14 mortos, noticiou o Washington Post.

O FBI acedeu ao telemóvel de Rizwan Farook, responsável, com a mulher, pela morte de 14 pessoas, depois de um litígio legal e de a Apple se ter negado a prestar ajuda. (Arquivo)

O FBI acedeu ao telemóvel de Rizwan Farook, responsável, com a mulher, pela morte de 14 pessoas, depois de um litígio legal e de a Apple se ter negado a prestar ajuda. (Arquivo)

© Mike Segar / Reuters

Segundo publicou o jornal esta terça-feira, citando fontes policiais não identificadas, o FBI contactou os 'hackers', que descobriram um defeito de 'software' e facultaram a informação aos agentes, que assim criaram 'hardware' que lhes permitiu aceder ao iPhone.

Os investigadores conseguiram desbloquear o código pessoal de quatro dígitos sem ativar um mecanismo de segurança utilizado pela Apple, fabricante do aparelho, que teria eliminado todo o conteúdo do telemóvel caso fossem digitados, mais de dez vezes, códigos incorretos.

O grupo de piratas informáticos, que habitualmente colaboram com a Administração norte-americana, recebeu uma quantia não especificada.

O FBI acedeu ao telemóvel de Rizwan Farook, responsável, com a mulher, Tashfeen Malik, pela morte de 14 pessoas, depois de um litígio legal e de a Apple se ter negado a prestar ajuda.

A empresa alegou que, ao aceder ao pedido das autoridades, colocaria em risco a privacidade de todos os seus dispositivos.

Lusa

  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.