sicnot

Perfil

Mundo

FBI pagou a piratas informáticos para aceder a telemóvel de autor de tiroteio

O FBI pagou a "piratas informáticos profissionais" para conseguir aceder ao telemóvel usado pelo autor do tiroteio ocorrido em dezembro na localidade californiana de San Bernardino, nos Estados Unidos, que fez 14 mortos, noticiou o Washington Post.

O FBI acedeu ao telemóvel de Rizwan Farook, responsável, com a mulher, pela morte de 14 pessoas, depois de um litígio legal e de a Apple se ter negado a prestar ajuda. (Arquivo)

O FBI acedeu ao telemóvel de Rizwan Farook, responsável, com a mulher, pela morte de 14 pessoas, depois de um litígio legal e de a Apple se ter negado a prestar ajuda. (Arquivo)

© Mike Segar / Reuters

Segundo publicou o jornal esta terça-feira, citando fontes policiais não identificadas, o FBI contactou os 'hackers', que descobriram um defeito de 'software' e facultaram a informação aos agentes, que assim criaram 'hardware' que lhes permitiu aceder ao iPhone.

Os investigadores conseguiram desbloquear o código pessoal de quatro dígitos sem ativar um mecanismo de segurança utilizado pela Apple, fabricante do aparelho, que teria eliminado todo o conteúdo do telemóvel caso fossem digitados, mais de dez vezes, códigos incorretos.

O grupo de piratas informáticos, que habitualmente colaboram com a Administração norte-americana, recebeu uma quantia não especificada.

O FBI acedeu ao telemóvel de Rizwan Farook, responsável, com a mulher, Tashfeen Malik, pela morte de 14 pessoas, depois de um litígio legal e de a Apple se ter negado a prestar ajuda.

A empresa alegou que, ao aceder ao pedido das autoridades, colocaria em risco a privacidade de todos os seus dispositivos.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".