sicnot

Perfil

Mundo

Robô vai dar aulas de inglês no Japão

Um exemplar de Pepper, um robô de última geração muito popular no Japão, foi hoje pela primeira vez a um instituto nipónico, numa iniciativa que pretende normalizar a presença destes objetos em salas de aula.

Pepper é o primeiro robô capaz de comunicar e interpretar emoções humanas.

Pepper é o primeiro robô capaz de comunicar e interpretar emoções humanas.

© Nigel Treblin / Reuters

Segundo a rádio japonesa NHK, a presença do Pepper no instituto tem como objetivo familiarizar os alunos com o robô, que já está presente em estabelecimentos comerciais e em bancos. Na área educativa, o instituto Soshi, na prefeitura de Fukushima, vai igualmente servir-se do robô para melhorar a capacidade dos alunos de falarem inglês.

Pepper é o primeiro robô capaz de comunicar e interpretar emoções humanas, está à venda para usos domésticos a um preço base de 128.00 yenes (cerca de 1.600 euros) e a intenção do fabricante é de poder usá-lo, no futuro, nos setores da saúde, educação ou ainda atendimento ao público.

O autómato utiliza uma tecnologia desenvolvida pela Cocoro SB Corp que permitiu gerar artificialmente as emoções do robot e foi concebido pelo gigante nipónico das telecomunicações SoftBank e pela companhia francesa de robótica Aldebaran Robotics.

Lusa

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.