sicnot

Perfil

Mundo

Líder da oposição defende permanência do Reino Unido na UE

O líder da oposição britânica, Jeremy Corbyn, assumidamente crítico da União Europeia, pediu hoje aos britânicos que votem pela permanência do Reino Unido na UE, afirmando que essa é a melhor forma de proteger "trabalhadores, consumidores e ambiente".

© Stefan Wermuth / Reuters

"O Partido Trabalhista é esmagadoramente a favor da permanência, porque acreditamos que a UE trouxe investimento e emprego, proteção para os trabalhadores, os consumidores e o meio ambiente, e porque é a melhor opção para enfrentarmos os desafios do século XXI", disse Corbyn no seu primeiro discurso sobre o chamado Brexit, quando faltam quase dois meses para o referendo de 23 de junho.

"O Partido Trabalhista está convencido de que o voto pela permanência serve o interesse da população deste país. O Reino Unido será mais forte se cooperarmos com os nossos vizinhos", disse, referindo nomeadamente as alterações climáticas, a ameaça terrorista, o envelhecimento populacional, a crise migratória ou a proteção dos empregos e dos salários, "face à pressão mundialista".

Corbyn, que discursava na Universidade de Londres, admitiu que continua a ser "muito crítico" do projeto europeu, porque tem "falta de representação democrática" e "precisa de mudar".

"Mas a mudança só pode acontecer se trabalharmos com os nossos aliados dentro da UE", sublinhou, defendendo que é "perfeitamente possível ser crítico da UE e continuar convencido de que é preciso continuar como membro".

O apoio explícito do líder trabalhista era considerado imperativo pela campanha que defende a permanência na UE, porque pode mobilizar muitos eleitores trabalhistas para um referendo em que a participação pode ser decisiva para definir o resultado final, que sondagens preveem vir a ser um empate.

Na mais recente, feita pelo instituto "YouGov" e publicada na terça-feira pelo Times, o "Ficar" e o "Sair" estão empatados com 39% e há 22% de eleitores indecisos.

Os grupos a favor e contra a permanência do Reino Unido na UE, liderados respetivamente pelo primeiro-ministro, David Cameron, e pelo presidente da câmara de Londres, o também conservador Boris Johnson, foram designados oficialmente na quarta-feira para fazer campanha para o referendo.

Lusa

  • David Cameron volta a defender que o Reino Unido só perde com a saída da UE
    1:27

    Mundo

    O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que 3 milhões de empregos dependem dos acordos de comércio com os Estados-membros da União Europeia. Ontem, depois do "mayor" londrino, Boris Johnson, ter anunciado que vai fazer campanha a favor do Brexit, a libra caiu para o valor mais baixo dos últimos sete anos, face ao dólar.Administradores de quase 200 empresas defendem que o Brexit representa uma ameaça para a economia.

  • Agência Moody's avisa que Brexit terá impacto no rating do Reino Unido
    2:15

    Economia

    A agência Moody's avisa que o Brexit terá impacto no rating do Reino Unido. A libra teve num dia a maior queda em 7 anos. David Cameron apresentou oficialmente ao Parlamento britânico a proposta de referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia. Mas depois do aparente sucesso do acordo alcançado no Conselho Europeu, o chefe do Governo viu cinco ministros e vários membros do partido fazerem-lhe frente.

  • Mayor de Londres anuncia campanha pelo Brexit

    Mundo

    O mayor de Londres, o deputado conservador Boris Johnson, anunciou hoje que vai fazer campanha pela saída do Reino Unido da União Europeia (UE), depois de o primeiro-ministro, David Cameron, lhe ter dirigido um apelo em sentido contrário.

  • Líderes europeus debatem permanência do Reino Unido na UE
    2:04

    Mundo

    A permanência do Reino Unido na União Europeia vai estar em discussão em Bruxelas, na cimeira de líderes de hoje e amanhã. Na antevisão deste encontro, considerado decisivo, o presidente do Conselho Europeu voltou a conversar com o primeiro-ministro, David Cameron, e reconheceu que ainda há divergências e questões por resolver. Para além deste processo que ficou conhecido por "Brexit", a crise migratória será outro tema em debate.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.