sicnot

Perfil

Mundo

Reino Unido aperta vigilância a conteúdos extremistas publicados na Internet

A polícia britânica eliminou 26.479 artigos, textos ou vídeo de conteúdo extremista publicados na Internet nos primeiros três meses do ano, o que dá 291 por dia, indicou hoje, ao apresentar os últimos dados oficiais.

De acordo com a Scotland Yard, os sites com conteúdos extremistas aumentaram desde que surgiu o Daesh.

De acordo com a Scotland Yard, os sites com conteúdos extremistas aumentaram desde que surgiu o Daesh.

A polícia metropolitana de Londres (MET, também conhecida como Scotland Yard) explicou que os sites com conteúdos extremistas aumentaram desde que surgiu o grupo terrorista Daesh, o que implicou a retirada de 55.556 peças em 2015.

Em 2012, a polícia retirou 2.000.

A unidade antiterrorista de derivação de internet (CTIRU, sigla em inglês) retirou mais de 160 mil conteúdos de defesa ou incitação ao terrorismo, desde que começou a trabalhar em 2010, disse a MET, que pediu aos cidadãos para denunciarem portais suspeitos.

Assim que é detetado um conteúdo extremista, como imagens de uma decapitação ou instruções para o fabrico de bombas, a polícia envia uma mensagem à empresa que fornece o serviço a pedir a eliminação do conteúdo, disse.

O aumento dos conteúdos retirados no último ano "deveu-se à proliferação de propaganda do EI, ao aumento das denúncias e à procura ativa da polícia para eliminação", declarou a MET no comunicado.

A subcomissária adjunta Helen Ball alertou que a "internet e as redes sociais oferecem muitas possibilidades aos extremistas para chegar a pessoas jovens ou vulneráveis, e os seus métodos evoluem constantemente".

"Conhecer o material extremista é importante para proteger o público e prevenir crimes de incitação ou promoção do terrorismo ou extremismo", acrescentou.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras