sicnot

Perfil

Mundo

Novo balanço do sismo no Equador contabiliza 246 mortos

Um novo balanço sobre o sismo que atingiu hoje o Equador contabiliza 246 mortos e 2.527 feridos, revelou o vice-presidente equatoriano, Jorge Glas.

© Guillermo Granja / Reuters

Em declarações aos jornalistas em Manta, uma das localidades afetadas pelo sismo, Jorge Glas admitiu que existe uma lista de pessoas desaparecidas, mas não quantificou.

De acordo com a agência France-Presse, entre as vítimas mortais há dois canadianos.

A costa norte do Equador foi atingida às 18:58 de sábado (00:58 de domingo em Lisboa) por um sismo de magnitude 7,8 na escala de Richter.

O terramoto foi registado a dez quilómetros de profundidade e com o epicentro a cerca de 173 quilómetros da capital, Quito.

Jorge Glas disse que este foi o pior sismo que o Equador sentiu em décadas.

Entre as localidades mais afetadas está Pedernales, onde o presidente de câmara, Gabriel Alcivar, afirmou que podem ter morrido pelo menos 400 pessoas, muitas delas turistas que podem estar soterradas nos escombros de alguns dos 40 hotéis que colapsaram.

"Precisamos de ajuda, de medicamentos, água e comida para ajudar as pessoas", disse.

Venezuela, Espanha, Estados Unidos, a Cruz Vermelha e o Fundo Monetário Internacional já prontificaram ajuda no terreno.

Lusa

  • Uma viagem pela Estrada Nacional 236
    2:52
  • A reconstrução depois da tragédia de Pedrógão
    2:43
  • Marcelo reúne-se na quarta-feira com Putin

    País

    O Presidente da República reúne-se na quarta-feira, em Moscovo, com o líder russo, Vladimir Putin, informou este domingo a Presidência. Marcelo Rebelo de Sousa estará na capital da Federação Russa para assistir ao jogo da seleção portuguesa na fase final do Mundial de Futebol com a equipa de Marrocos

  • Novo busto de Ronaldo foi pedido pelo Museu CR7
    2:07
  • Grécia e Macedónia assinam acordo histórico
    2:02

    Mundo

    A Grécia e a Macedónia assinaram um acordo histórico para mudar o nome da antiga República Jugoslava para República da Macedónia do Norte. Em causa está um problema diplomático entre os dois países que dificultou os planos da Macedónia em aderir à União Europeia e às Nações Unidas.