sicnot

Perfil

Mundo

Bases do Podemos rejeitam unir-se ao PSOE-Ciudadanos para Governo em Espanha

Os simpatizantes do Podemos rejeitaram hoje (com uma maioria de 88,2%) que o partido se associe ao acordo entre o PSOE e o Ciudadanos, optando por um Governo de coligação à esquerda que os socialistas também recusam.

© Susana Vera / Reuters

O Podemos convocou uma votação sobre um apoio ao pacto PSOE-Ciudadanos (com a alternativa de optar por um governo de coligação de esquerda) para os dias 14 a 16 de abril, na sua página de Internet. Dos 393 mil inscritos votaram quase 150 mil simpatizantes da formação de Pablo Iglesias.

Entre os que votaram, 88,23% rejeitaram uma adesão do partido ao acordo entre PSOE e Ciudadanos - algo que os socialistas tinham vindo a pedir para viabilizar a investidura do seu secretário-geral, Pedro Sánchez, e impedir uma nova legislatura do PP.

A primeira das perguntas na consulta aos militantes do Podemos era precisamente sobre se apoiava o acordo Rivera-Sánchez (numa referência aos líderes do Ciudadanos, Albert Rivera, e do PSOE). PSOE e Ciudadanos somam 130 votos no parlamento, pelo que uma abstenção ou "sim" do Podemos (69 deputados) lhes daria a maioria absoluta.

A segunda pergunta era se apoiava a linha da direção do Podemos, que visa um governo de coligação de esquerda, liderado pelo PSOE mas integrado também por membros do Podemos e da Izquierda Unida (partido comunista). Esta via soma 161 votos no Congresso dos Deputados.

Nove em cada dez simpatizantes do Podemos (91,79%) apoiaram a segunda via. Ao anunciar a consulta, a direção do Podemos admitiu a hipótese de se demitir caso as bases não rejeitassem o acordo PSOE-Ciudadanos.

Os deputados espanhóis têm até 02 de maio para eleger um presidente do Governo, caso contrário Espanha parte para novas eleições gerais a 26 de junho.

Nas eleições de dezembro, o PP ganhou sem maioria absoluta (123 deputados), abrindo caminho a uma "solução à portuguesa" - um governo de coligação de esquerda - que nunca chegou a ser acertada entre os partidos.

O PSOE (90 deputados) optou por governar sozinho com apoios parlamentários, conseguindo apenas atrair para essa via o Ciudadanos (40 assentos). O Podemos (69 deputados juntando as confluências regionais) propôs desde início ao PSOE entrar no governo com uma presença proporcional aos votos, juntando também a Izquierda Unida.

Já o PP optou por esperar que o PSOE falhasse nas sucessivas tentativas de fazer acordos com a direita e a esquerda. O líder socialista, Pedro Sánchez, chegou mesmo a submeter-se a uma sessão de investidura, mas foi chumbado em duas votações, algo inédito na democracia espanhola.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.