sicnot

Perfil

Mundo

Bases do Podemos rejeitam unir-se ao PSOE-Ciudadanos para Governo em Espanha

Os simpatizantes do Podemos rejeitaram hoje (com uma maioria de 88,2%) que o partido se associe ao acordo entre o PSOE e o Ciudadanos, optando por um Governo de coligação à esquerda que os socialistas também recusam.

© Susana Vera / Reuters

O Podemos convocou uma votação sobre um apoio ao pacto PSOE-Ciudadanos (com a alternativa de optar por um governo de coligação de esquerda) para os dias 14 a 16 de abril, na sua página de Internet. Dos 393 mil inscritos votaram quase 150 mil simpatizantes da formação de Pablo Iglesias.

Entre os que votaram, 88,23% rejeitaram uma adesão do partido ao acordo entre PSOE e Ciudadanos - algo que os socialistas tinham vindo a pedir para viabilizar a investidura do seu secretário-geral, Pedro Sánchez, e impedir uma nova legislatura do PP.

A primeira das perguntas na consulta aos militantes do Podemos era precisamente sobre se apoiava o acordo Rivera-Sánchez (numa referência aos líderes do Ciudadanos, Albert Rivera, e do PSOE). PSOE e Ciudadanos somam 130 votos no parlamento, pelo que uma abstenção ou "sim" do Podemos (69 deputados) lhes daria a maioria absoluta.

A segunda pergunta era se apoiava a linha da direção do Podemos, que visa um governo de coligação de esquerda, liderado pelo PSOE mas integrado também por membros do Podemos e da Izquierda Unida (partido comunista). Esta via soma 161 votos no Congresso dos Deputados.

Nove em cada dez simpatizantes do Podemos (91,79%) apoiaram a segunda via. Ao anunciar a consulta, a direção do Podemos admitiu a hipótese de se demitir caso as bases não rejeitassem o acordo PSOE-Ciudadanos.

Os deputados espanhóis têm até 02 de maio para eleger um presidente do Governo, caso contrário Espanha parte para novas eleições gerais a 26 de junho.

Nas eleições de dezembro, o PP ganhou sem maioria absoluta (123 deputados), abrindo caminho a uma "solução à portuguesa" - um governo de coligação de esquerda - que nunca chegou a ser acertada entre os partidos.

O PSOE (90 deputados) optou por governar sozinho com apoios parlamentários, conseguindo apenas atrair para essa via o Ciudadanos (40 assentos). O Podemos (69 deputados juntando as confluências regionais) propôs desde início ao PSOE entrar no governo com uma presença proporcional aos votos, juntando também a Izquierda Unida.

Já o PP optou por esperar que o PSOE falhasse nas sucessivas tentativas de fazer acordos com a direita e a esquerda. O líder socialista, Pedro Sánchez, chegou mesmo a submeter-se a uma sessão de investidura, mas foi chumbado em duas votações, algo inédito na democracia espanhola.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.