sicnot

Perfil

Mundo

Bases do Podemos rejeitam unir-se ao PSOE-Ciudadanos para Governo em Espanha

Os simpatizantes do Podemos rejeitaram hoje (com uma maioria de 88,2%) que o partido se associe ao acordo entre o PSOE e o Ciudadanos, optando por um Governo de coligação à esquerda que os socialistas também recusam.

© Susana Vera / Reuters

O Podemos convocou uma votação sobre um apoio ao pacto PSOE-Ciudadanos (com a alternativa de optar por um governo de coligação de esquerda) para os dias 14 a 16 de abril, na sua página de Internet. Dos 393 mil inscritos votaram quase 150 mil simpatizantes da formação de Pablo Iglesias.

Entre os que votaram, 88,23% rejeitaram uma adesão do partido ao acordo entre PSOE e Ciudadanos - algo que os socialistas tinham vindo a pedir para viabilizar a investidura do seu secretário-geral, Pedro Sánchez, e impedir uma nova legislatura do PP.

A primeira das perguntas na consulta aos militantes do Podemos era precisamente sobre se apoiava o acordo Rivera-Sánchez (numa referência aos líderes do Ciudadanos, Albert Rivera, e do PSOE). PSOE e Ciudadanos somam 130 votos no parlamento, pelo que uma abstenção ou "sim" do Podemos (69 deputados) lhes daria a maioria absoluta.

A segunda pergunta era se apoiava a linha da direção do Podemos, que visa um governo de coligação de esquerda, liderado pelo PSOE mas integrado também por membros do Podemos e da Izquierda Unida (partido comunista). Esta via soma 161 votos no Congresso dos Deputados.

Nove em cada dez simpatizantes do Podemos (91,79%) apoiaram a segunda via. Ao anunciar a consulta, a direção do Podemos admitiu a hipótese de se demitir caso as bases não rejeitassem o acordo PSOE-Ciudadanos.

Os deputados espanhóis têm até 02 de maio para eleger um presidente do Governo, caso contrário Espanha parte para novas eleições gerais a 26 de junho.

Nas eleições de dezembro, o PP ganhou sem maioria absoluta (123 deputados), abrindo caminho a uma "solução à portuguesa" - um governo de coligação de esquerda - que nunca chegou a ser acertada entre os partidos.

O PSOE (90 deputados) optou por governar sozinho com apoios parlamentários, conseguindo apenas atrair para essa via o Ciudadanos (40 assentos). O Podemos (69 deputados juntando as confluências regionais) propôs desde início ao PSOE entrar no governo com uma presença proporcional aos votos, juntando também a Izquierda Unida.

Já o PP optou por esperar que o PSOE falhasse nas sucessivas tentativas de fazer acordos com a direita e a esquerda. O líder socialista, Pedro Sánchez, chegou mesmo a submeter-se a uma sessão de investidura, mas foi chumbado em duas votações, algo inédito na democracia espanhola.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.